A Hora da Notícia

“A Cultura precisa ser vista como um investimento e não como um gasto”, dizem artistas sobre cancelamento do São João em AL

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
prefeitura junho

São João de Maceió / Foto: Arquivo / Secom Maceió

Depois que oito municípios alagoanos cancelaram os festejos juninos, produtores e artistas emitiram uma carta aberta defendendo a manutenção da realização dos festejos juninos. Em uma carta bem extensa, os artistas alegam todos os fatores e sofrimento da categoria com a suspensão do São Joao desde 2020. 

A Cultura precisa ser vista como um investimento e não como um gasto. Ter acesso a cultura é um direito constitucional brasileiro, previsto no art. 215, vai além de apenas entretenimento, é cidadania, onde “o Estado garantirá a todos um pleno exercício dos direitos culturais e acesso às fontes da cultura nacional, e apoiará e incentivará a valorização e a difusão das manifestações culturais.”, disseram os artistas.

Os municípios decidiram cancelar os festejos devido ao grande número de pessoas que estão sofrendo com as chuvas nos municípios, principalmente com  o número de desalojados. 

CARTA DOS PRODUTORES E ARTISTAS EM DEFESA DO SÃO JOÃO 2022

Maceió-AL 30 de maio de 2022.

Em 2020, como todo começo de ano, muitos planos foram feitos, até que um vírus destruiu sonhos, planos, lares, carreiras, empresas e toda perspectiva de uma indústria que emprega milhares de pessoas em todo Brasil, o setor de cultura e eventos. A Cultura foi a primeira a parar com a Pandemia do Covid-19, assim, como para retomar foi o último com as atividades presenciais.

É triste saber que o pilar da nossa sociedade, que nos dá identidade, e que revela quem somos, é tratada com desdém por parte de alguns, faltando compreensão do real papel econômico e de desenvolvimento que o setor desempenha. Mesmo assim, a cultura segue firme, suportou a pandemia reinventando maneiras de se ajudar – fazendo Lives para arrecadar alimentos -, como forma de ajudar aos trabalhadores da cultura e do entretenimento. Nossos artistas e produtores nunca baixaram a cabeça para nada, e não será agora!

CANCELAR O SÃO JOÃO é tirar a esperança de centenas de famílias em desenvolver suas atividades de renda. CANCELAR O SÃO JOÃO é não compreender o quanto a cultura é um investimento em desenvolvimento, e não saber que ela gera renda, empregos e retorno financeiro para todos. CANCELAR O SÃO JOÃO não tem relação apenas com pessoas que podem pagar um camarote ou viajar para outro lugar e curtir a festividade, mas, acabar com uma forte tradição nordestina que movimenta milhões para a economia local. Esse ano a previsão é movimentar mais de 100 milhões de reais apenas na cidade de Maceió.

MANTER O SÃO JOÃO é lembrar das comunidades periféricas que não deixam a cultura morrer. MANTER O SÃO JOÃO é apoiar as Quadrilhas. MANTER O SÃO JOÃO é apoiar os Trios de Forró. MANTER O SÃO JOÃO é apoiar o Coco de Roda. MANTER O SÃO JOÃO é apoiar o Bumba-meu-boi. MANTER O SÃO JOÃO é apoiar as culturas tradicionais. MANTER O SÃO JOÃO é pensar nos que vivem de renda informal.

Porque, no final das contas, quem se prejudica são os artistas que se prepararam para a festa, as quadrilhas que já confeccionaram o figurino e cenário. São os coquistas e quadrilheiros que competem no concurso, com mais de 20 anos de tradição.

No final, quem paga a conta são os trabalhadores da cultura que transportam, que vendem produtos e serviços, que produzem os shows e concursos, que canta nos eventos. Somos nós, seguranças, motoristas de aplicativo, técnicos de palco e backstage, músicos, carregadores, setor de limpeza, serviços, montagem, aluguel de equipamentos, etc. que pagamos a conta do cancelamento do festejo. Pagamos a conta com prejuízos que passam desde o não ganho do trabalho direto no evento, agora ‘quase’ cancelado, até os recursos já investidos até o momento, através de empréstimos, rifas, financiamentos, apoios, patrocínios, campanhas, bingos, doações, recursos próprios, etc.

‘É preciso colocar a cultura na cesta básica brasileira’, afirmou Gilberto Gil, que sempre defendeu apoio e fomento à cultura através do Do-in Antropológico. Nosso São João também está adormecido por dois (02) anos, não podemos aceitar parar pela terceira vez. Precisamos acordar toda classe artística, produtores e técnicos para levantar nosso Tradicional São João.

A Cultura precisa ser vista como um investimento e não como um gasto. Ter acesso a cultura é um direito constitucional brasileiro, previsto no art. 215, vai além de apenas entretenimento, é cidadania, onde “o Estado garantirá a todos um pleno exercício dos direitos culturais e acesso às fontes da cultura nacional, e apoiará e incentivará a valorização e a difusão das manifestações culturais.”

  • Alagoas é grande, e as festas são a SALVAÇÃO PARA MILHARES DE FAMÍLIAS, o mês junino começa em 1 (um) dia, mas as festas começam dia 15 (quinze), temos tempo para avaliar a realidade e acolher todos que estejam sofrendo com as fortes chuvas. Cancelar agora é PRECIPITAÇÃO.
  • São João é, também, sinônimo de geração de empregos. Gerando economia, movimentando basicamente todos os nichos de comércio. O SÃO JOÃO é a maior festa do Nordeste!
  • ´SIM´ para um São João Solidário às vítimas das chuvas! E, que cada local de festa se torne também, um centro de arrecadação de mantimentos.

fonte: cadaminuto.com.br

Compartilhe essa informação

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Notícias Relacionadas

Comente