A Hora da Notícia

AGU recorre ao TSE contra pedido para investigar Bolsonaro por favorecimentos no MEC

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
prefeitura junho

Wesley Macallister/Ascom AGU

A Advocacia-geral da União recorreu ao Tribunal Superior Eleitoral, pedindo o arquivamento do pedido de investigação do presidente Jair Bolsonaro (PL) por supostos favorecimentos no Ministério da Educação (MEC). No pedido, a AGU afirmou que não existem elementos mínimos de irregularidade que justifiquem a abertura da apuração contra o presidente. O pedido de investigação foi feito pelo Partido dos Trabalhadores. A legenda defende que as supostas irregularidades dentro do MEC configuram abuso de poder político e econômico, o que pode levar à inelegibilidade de Bolsonaro. A AGU ainda defendeu que o chefe do Executivo não pode ser investigado no âmbito eleitoral porque uma apuração dessa natureza só pode ser apresentada entre julho e dezembro, período entre o registro da candidatura e a data da diplomação dos eleitos.

A AGU ainda argumentou que os fatos foram apurados pela Controladoria-geral da União em 2021, por iniciativa do Ministério da Educação, que encaminhou as denúncias ao órgão. Por sua vez, a CGU apontou que não encontrou o envolvimento de qualquer autoridade nas irregularidades. A AGU disse ainda que o áudio juntado aos altos revela apenas o diálogo em que terceiros fazem menção indevida ao nome do presidente da República e que não há qualquer outro suporte fático ou probatório além da demonstração de suposto prestígio e da própria interpretação dos fatos realizada pela matéria. A AGU afirma também que revela-se inviável instaurar qualquer procedimento de investigação judicial e eleitoral.

Já no Senado Federal, os parlamentares da oposição trabalham para recuperar o número mínimo de assinaturas para dar andamento à comissão parlamentar de inquérito (CPI) do MEC. No final de semana passado, três senadores retiraram o apoio para a criação da comissão. Até a última sexta-feira, 8, o pedido de instalação da CPI do MEC contava com 27 assinaturas, o mínimo necessário para protocolar o documento. Mas os senadores Weverton Rocha (PDT-MA), Oriovisto Guimarães (Podemos-PR) e Styvenson Valentim (Podemos-RN) retiram as assinaturas.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) afirmou que a oposição vai continuar com o esforço para ampliar o apoio: “Apesar de todos esses esforços, só conseguiram até agora a retirada da assinatura de três colegas senadores. Nós da oposição vamos continuar os esforços para ampliar as assinaturas. Já tenho a garantia e o compromisso do senador Marcelo Castro. Diante disso, faltam mais duas assinaturas. Iremos trabalhar com afinco nessa semana e na próxima para alcançar êxito e ter a investigação do Bolsolão do MEC”.

Já o deputado coronel Tadeu argumenta que a instalação da CPI no Senado é uma estratégia da oposição para tentar desgastar o governo Bolsonaro em ano eleitoral. “As denúncia contra o ministro Milton Ribeiro já estão sendo investigadas e não há necessidade de CPI nenhuma e provavelmente vai ser mais um daqueles assuntos que sai de um lugar que não existe e chega a lugar nenhum”, opinou.

Nesta terça-feira, 12, a Comissão de Educação do Senado se reúne a votar novos pedidos de depoimento. O presidente do colegiado, o senador Marcelo Castro (MDB-PI) disse que também será discutido o depoimento do ministro interino do MEC, Victor Godoy. “Victor Godoy, à época, não era o ministro, mas era o secretário executivo, que era o braço direito do ministro. Então, acreditamos que ele tenha muitas informações para trazer para nós. Quer dizer, além dessa intermediação de recursos pelos pastores, tem a questão dos ônibus, dos kits de robótica, são tantos fatos graves que evidentemente precisam ser investigados, analisados, esclarecidos”, defende Castro. Alguns senadores já trabalham com a possibilidade de transferir a apuração que seria feita na CPI para a comissão de educação.

*Com informações da repórter Iasmin Costa     fonte: jovempan.com.br

Compartilhe essa informação

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Notícias Relacionadas

Comente