A Hora da Notícia

Apesar de decisão judicial, Mesa Diretora da ALE mantém convocação de eleição para governador-tampão

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
prefeitura junho

Reprodução/TV Assembleia

Representando a Presidência da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa de Alagoas (ALE), o deputado estadual Bruno Toledo (MDB) convocou a sessão extraordinária da próxima segunda-feira (2) para escolha indireta do governador e vice-governador de Alagoas.

Por falta de quórum, não teve sessão ordinária nesta quinta-feira (28), mas o parlamentar lembrou aos poucos colegas que compareceram o evento político que foi marcado pelo Casa de Tavares Bastos. E não fez menção à hipótese de que a eleição pode não acontecer.

“Convoco os senhores deputados para sessão extraordinária da próxima segunda-feira, 2 de maio, com a pauta exclusiva para escolha democrática dos futuros governador e vice-governador de Alagoas”, afirmou Bruno Toledo, que assumiu o comando dos trabalhos, na ausência dos presidente e vice-presidentes.

A eleição para governador-tampão está marcada, conforme edital divulgado pela ALE, para as 10h, quando a sessão deverá ser aberta. Se a decisão judicial que o suspende for reformada, o pleito acontecerá normalmente e os possíveis eleitos tomarão posse logo em seguida.     suspe

Suspensão

A juíza Maria Ester Fontan Cavalcanti Manso, da 18ª Vara Cível da Capital, acatou o pedido formulado pelo PSB, na ação ordinária anulatória, e suspendeu a eleição. Os dois principais pontos questionados no processo, e que a juíza considerou inconstitucionais, são a possibilidade de eleição separada para os cargos de governador e vice, além da votação aberta.

Entre outras coisas, é dito na decisão que houve ofensa grave aos preceitos constitucionais que regulamentam o sistema eleitoral. A liminar vale até a análise do mérito pelo Poder Judiciário. A Mesa Diretora da ALE ainda não se pronunciou.

O advogado do PSB, Henrique Vasconcellos, explicou que o partido pede a declaração da inconstitucionalidade da lei sancionada que define regras para o pleito indireto, a anulação do edital para abertura do processo eleitoral (divulgado pela Mesa Diretora da Assembleia Legislativa) e a consequente suspensão da eleição.

“Verifica-se de fato um descompasso com as disposições moldadas pelas Constituições Federal e Estadual, pois mais uma vez ambas as constituições vaticinam que os candidatos a governador e a vice-governador deverão ser registrados de forma conjunta, através de chapa única e indivisível para os referidos cargos”, informa outro trecho da decisão.

Sobre a votação ser realizada de modo aberto, a juíza disse que “está por ocorrer mais uma violação às normas vigentes e de garantia de sigilo do sufrágio. Explico, no caso em apreço, o deputado, na condição de eleitor, deverá ter o livre direito de escolha de seus representantes políticos e não optar forçosamente em votar num candidato escolhido por seu partido, justamente para afastar a acusação de infidelidade partidária”.

“Desta forma, em sendo mantida a eleição de forma aberta, concluo que somente prejudicará a legitimidade do certame, logo deve ser dado respaldo à nossa Carta Magna, que eleva o sigilo do voto ao direito político de um cidadão”, complementou a magistrada.

fonte: gazetaweb

Compartilhe essa informação

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Notícias Relacionadas

Comente