A Hora da Notícia

Após prisão de Dias, Queiroga diz ter “tolerância zero” com corrupção

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
PRESTAÇÃO DE CONTAS

Edilson Rodrigues

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse que o governo federal “tem tolerância zero com práticas impróprias do serviço público”. A declaração foi dada nesta quarta-feira (7/7), após Roberto Dias, ex-diretor de logística do Ministério da Saúde, ter recebido voz de prisão na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid.


A voz de prisão foi dada minutos antes de Marcelo Queiroga iniciar uma coletiva de imprensa no Ministério da Saúde. Durante o evento, o ministro foi questionado sobre a detenção do ex-funcionário.

“Aqui se aplica não o in dubio pro reo do direito penal. Aqui se aplica o in dubio pró sociedade. Então, toda vez que houver uma denúncia, um fato, se apura. Nós temos uma política de integridade que precisa ser observada e nós precisamos passar pra sociedade brasileira a imagem que o governo federal sempre passou”, afirmou.

“É um governo que tem tolerância zero com práticas que não sejam adequadas, impróprias do serviço público. O que acontece na CPI é problema do Congresso Nacional e o ministro da Saúde continua o seu trabalho. E eu tenho certeza que nós já temos o reconhecimento da sociedade brasileira”, argumentou.

Exoneração

Dias foi exonerado do Ministério da Saúde na última quarta-feira (30/6), após as suspeitas de pedido por propina na compra de vacinas se tornarem públicas. Queiroga afirmou, nesta quarta, que a demissão não ocorreu por “juízo de valor”.

“Esse servidor é do estado do Paraná. Prestou serviço ao Ministério da Saúde. Ele foi exonerado pelas razões que nós já colocamos aqui pra vocês de forma reiterada. E a exoneração não se deveu a nenhum juízo de valor acerca da sua culpabilidade”, disse o ministro.

Queiroga também defendeu que seu foco é conduzir a saúde pública e conter a pandemia de Covid-19 no Brasil. “Essas questões do parlamento são do parlamento, não são do ministro da Saúde”, afirmou.

fonte: Gazetaweb

Compartilhe essa informação

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Notícias Relacionadas

Comente