A Hora da Notícia

Após ter um filho tomando pílula, mãe tem outro bebê usando DIU, no Rio

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
PRESTAÇÃO DE CONTAS

Michelle Oliveira

“Não há barreiras que impeçam um milagre”. Foi assim que a fotógrafa Michelle Oliveira definiu a chegada de Bernardo, filho caçula de Paula dos Santos Escudero, 32 anos, nascido no Rio de Janeiro, último domingo (4). Ele veio a luz mesmo após a mãe utilizar um dos métodos anticoncepcionais considerado mais seguro pelos médicos, o DIU (dispositivo intrauterino).

Segundos após o parto de Bernardo, o dispositivo de Paula foi expelido e usado para registrar a raridade do momento. A foto foi compartilhada pela fotógrafa no perfil do Instagram dela.

Em entrevista à Revista Crescer, Paula afirma que também engravidou do primeiro filho, Gabriel, quando fazia uso de outro método contraceptivo, a pílula anticoncepcional, e resolveu usar o DIU para testar uma alternativa sem hormônios. Mais de três anos depois, descobriu estar grávida.

“O início da gestação foi angustiante por não saber se o DIU traria algum tipo de problema ou malformação para o meu filho. Mas logo após as consultas médicas, fiquei mais tranquila”, contou.

Bernardo é um bebê saudável que chegou na 36ª semana de gestação, com 3,715 kg e 49 centímetros. Paula afirma que os dois filhos eram desejados e “apenas anteciparam um pouquinho e vieram na hora que quiseram — mesmo com pílula e DIU”.

Segurando o DIU

Em 2020, um caso parecido ocorreu no Vietnã, quando um bebê nasceu segurando o DIU da mãe. Na época, o ginecologista do Hospital Anchieta de Brasília, José Gomes de Moura Neto, explicou ao Correio como a gravidez com o método contraceptivo pode ocorrer.https://c0585bd38f4b7e6590f5ad208ffb94d4.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

“A gente mede o tamanho do útero para o melhor posicionamento e segurança, mas o que ocorre é que, às vezes, o DIU pode se mover por diversos fatores, logo não pode impedir a fecundação com tanta eficácia ocasionando uma gravidez”, disse. “É fundamental frisar que nenhum método é 100% eficaz”, alertou.

Para evitar uma nova gestação, Paula já analisa novos métodos. “Meu marido pensou em vasectomia, mas vamos estudar mais sobre isso”, contou.

fonte: Gazetaweb

Compartilhe essa informação

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Notícias Relacionadas

Comente