A Hora da Notícia

Casal pede que ETA do Sistema Cardoso seja realocada após área ser afetada pelo afundamento do solo em Bebedouro

Cópia de sua marca aqui (2)
BANNER-ANUNCIO-AHORADANOTICIA-JAND (2)

FOTO: Assessoria

Diante do surgimento de rachaduras, que já ocorre há dois anos, a Companhia de Saneamento de Alagoas (Casal) solicitou à Braskem que a Estação de Tratamento de Água (ETA) do Sistema Cardoso, localizada no bairro Bebedouro – afetado pelo afundamento do solo -, fosse realocada.

Apesar da estação não ter sido incluída no mapa de áreas de risco, que foi elaborado pela Defesa Civil de Maceió, a Casal informou que já enviou estudos para a mineradora, mostrando que a área realmente foi afetada.

“A nossa estação não está dentro da poligonal, mas está margeando a poligonal, de forma que nós já apresentamos estudos à Braskem, mostrando que ela de fato também foi atingida. Nós solicitamos, inclusive, para a Defesa Civil de Maceió, a inserção da área da ETA na poligonal”, afirmou o presidente da Casal, Clécio Falcão, em entrevista à TV Gazeta.

Clécio Falcão ainda explicou que a preferência é que a nova estação seja instalada no Catolé, onde a Companhia faz a captação da água. No entanto, por enquanto, a Braskem realizará reparos na estrutura, que estão previstos para começar em breve.

“Nós temos colocamos para a Braskem a necessidade de nós retirarmos aquela estação daquele local e construirmos uma nova estação, de preferencia no Catolé, onde nós fazemos a captação da água e, dessa forma, damos uma solução definitiva. Mas, como uma forma de mitigação, de resolver o problema de imediato, nós aceitamos que a Braskem contratasse a empresa que vai realizar os serviços de recuperação estrutural”, explicou.

A ETA do Sistema Cardoso realiza o abastecimento de água para os bairros Bebedouro, Chã de Bebedouro, Bom Parto, Mutange, Cambona, Centro, Levada, Prado, Trapiche da Barra, Ponta Grossa e Pontal da Barra.

Por meio de nota enviada à TV Gazeta, a Braskem reforçou que a ETA do Sistema Cardoso não está no mapa de áreas de risco, mas que, mesmo assim, continua monitorando o local e assinou um termo de compromisso com a Casal, para a realização de apoio técnico.

A Defesa Civil explicou que a estação não foi incluída no mapa de ações prioritários, já que, à época, não havia razões que justificassem a ação. O órgão frisou que, em janeiro de 2021, recomendou a realização de monitoramento e reparos no local.

fonte: Gazetaweb

Compartilhe essa informação

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Telegram
WhatsApp

Notícias Relacionadas

Comente