A Hora da Notícia

Com novo cronograma prevendo redução de vacinas, governadores se reúnem com Pazuello

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
PRESTAÇÃO DE CONTAS

Ministério da Saúde

Depois que o Ministério da Saúde divulgou novo cronograma prevendo redução do número de doses de vacinas contra covid-19 a serem distribuídas em março, governadores solicitaram reunião com o ministro Eduardo Pazuello, que deve ocorrer na próxima segunda-feira (8/3), às 10 horas. A reunião terá também a presença da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que iria entregar 16,9 milhões de doses da vacina de Oxford/Astrazeneca em março, mas reduziu a previsão para 3,8 milhões.

“Da agenda que fizemos com o ministro Pazuello, no último dia 17 de fevereiro, a Fiocruz ficou de entregar 16,9 milhões de doses. Houve uma redução (…). Agora, precisamos garantir segurança. Afinal de contas, isso ajuda no planejamento e na meta para que possamos vacinar todo o grupo com mais de 60 anos, que tem comorbidades”, disse o governador do Piauí e coordenador da estratégia para vacina contra covid-19 no Fórum Nacional dos Governadores, Wellington Dias (PT). No último sábado, o Ministério da Saúde divulgou um novo cronograma prevendo uma redução de oito milhões de doses de vacina contra covid-19 a serem entregues no mês de março. A mudança se deu pela exclusão de oito milhões de doses da Covaxin do laboratório indiano Bharat Biotech, e que seriam importadas da Índia.

Agora, são previstas 23,3 milhões de doses da Coronavac (do Instituto Butantan, em parceria com a farmacêutica Sinovac), 3,8 milhões da vacina da AstraZeneca/Oxford, produzida em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), e 2,9 milhões via consórcio Covax Facility. Houve um novo aumento de 600 mil doses da Coronavac, cuja previsão anterior eram de 22,7 milhões.

É a segunda vez nesta semana que o Ministério reduz o número de doses previstas para março. Na última quinta-feira, a pasta já havia anunciado 8,6 milhões de doses a menos no Programa Nacional de Imunização. Foi na ocasião que o governo divulgou a mudança em relação às vacinas a Fiocruz, saindo de 16,9 milhões de doses para 3,8 milhões.

Com as doses que estavam previstas, o petista pretendia chegar à marca de 10% da população vacinada. De acordo com ele, vacinar esses grupos é importante para reduzir a pressão sobre as internações. “Essa vacinação de março e abril é fundamental. Assim, nessa segunda, a agenda com Pazuello e com a Fiocruz é fundamental para segurança em todo novo cronograma de vacinação”, disse. A reunião de segunda terá, ainda, a presença do governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro (PSC).

fonte: TNH1

Compartilhe essa informação

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Notícias Relacionadas

Comente