A Hora da Notícia

Como a variante delta avança pelo mundo e quais as perspectivas para o Brasil

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
PRESTAÇÃO DE CONTAS

Handout

A variante delta do coronavírus já é considerada predominante em ao menos mais quatro países além da Índia, onde ela foi descoberta: Reino Unido, Israel, México e Bélgica.

Nos Estados Unidos, já há estimativas de que ela seja a responsável pelo maior número de casos. A delta foi identificada no Brasil há cerca de um mês e provocou duas mortes. Nesta semana, ela foi identificada pela 1ª vez em um paciente da cidade de São Paulo.

Delta pelo mundo

A cientista-chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS), Soumya Swaminathan, alertou no mês passado que a variante delta tem se tornado a cepa dominante em todo o mundo. Segundo ela, o alto ritmo de transmissão desta variante identificada tinha um papel importante na sua predominância, mas que as vacinas continuavam eficazes no combate ao vírus.

Reino Unido: Os países do Reino Unido foram os primeiros a reconhecer que a variante delta havia ultrapassado a alfa. No começo de junho, ela já era responsável por mais de 70% dos novos casos. A alta taxa de vacinação e a manutenção de medidas de distanciamento social evitaram altos índices de casos e mortes pela doença. No começo deste ano, o país teve picos de mortes acima de 1,2 mil vítimas a cada 24 horas, mas mantém sua média abaixo dos 20 óbitos diários por Covid-19 desde o final de abril.https://df6b85081e3de842f9cb179175c76a8f.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

Israel: Mesmo com 60% da população vacinada, Israel readotou restrições por conta da disseminação da variante delta. A preocupação aumentou após registros de mais de cem novas infecções por dia, sendo zero o número no começo do mês. A maioria dos novos infectados são jovens e crianças em idade escolar – que ainda não foram vacinados. Ainda que o número de casos tenha aumentado, o país segue com a pandemia sob controle e as vacinas utilizadas conseguem proteger a população de casos mais graves da doença. As mortes se mantêm próximo de zero desde o início de junho.

México: Apenas 1/4 da população recebeu a 1ª dose da vacina e as autoridades mexicanas se preocupam com a variante delta, dominante nas maiores cidades. Dados do governo mexicano apontam um aumento de 64% das infecções por Covid-19 em apenas 3 semanas de junho.

Bélgica: Uma projeção feita pela universidade belga de Hasselt/Leuven aponta que mais de 50% das novas infecções registradas nesta primeira semana de julho já sejam da variante delta do coronavírus. No início do mês passado esse número não chegava a 25% de todas as infeções do país, o que aponta uma rápida transmissão desta cepa principalmente em pessoas mais jovens. O país também avança lentamente na sua campanha de vacinação, e apenas 44% da população adulta recebeu as duas doses da vacina.

Estados Unidos: O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) apontou uma estimativa de que, em 3 de julho, a delta representava 52% dos casos no país. As mortes no país estão em queda desde fevereiro, com uma forte campanha de vacinação puxada pelo governo de Joe Biden. O problema agora é convencer parte da população que se recusa a vacinar, o que fez com que os EUA não cumprissem a meta dos 70% vacinados até o dia da independência (em 4 de julho).

Para listar os países onde a delta é predominante, o G1 considerou dados disponíveis na plataforma Our World in Data, projeto ligado à Universidade de Oxford. Além disso, a Bélgica foi adicionada porque um estudo local apresenta a predominância da delta nos novos casos de Covid.

E como fica o Brasil? Veja as perspectivas em três tópicos:

1 – Total de vacinados e vulneráveis: Com ritmo lento de vacinação, o país tem 37% da sua população vacinada com a 1ª dose. O número fica em 13% quando se avalia a parcela da população que foi completamente imunizada.

Para tentar agilizar o processo, o Acre e algumas capitais, como Recife, Goiânia e Fortaleza, estão adiantando a aplicação da segunda dose da AstraZeneca. Anteriormente, o prazo estabelecido entre uma aplicação e outra do imunizante era de 90 dias. Com a mudança nessas regiões, o intervalo caiu para pelo menos 60 dias.

A chefe do programa de emergências da OMS, Maria van Kerkhove, explicou que as vacinas são eficazes contra casos graves da delta – se as duas doses forem aplicadas.

Isso quer dizer que mais de 70% da população adulta do país ainda segue vulnerável a esta variante – e mesmo quem já foi vacinado, pode ainda carregar o vírus.

Além disso, um estudo recente do governo inglês apontou que população jovem não vacinada e pessoas acima dos 50 anos que não receberam a 2ª dose são as que mais correm risco de se infectar. Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), o Brasil tem ao menos 47 milhões de jovens – de 15 a 29 anos – que ainda estão longe de poder se vacinar.

2 – Momento diferente da Índia: Ester Sabino, imunologista e pesquisadora do Instituto de Medicina Tropical da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), avalia que a situação do Brasil no momento é diferente da que a Índia encontrou quando surgiu a delta. Segundo ela, acabamos de passar por um pico da doença, o que pode contribuir para menos infecções da nova variante.

“Quando a Delta começou na Índia era mais ou menos como estava Manaus, em uma fase de perda de anticorpos depois de 7 meses com o vírus em baixa. Então, as pessoas vão perdendo a imunidade (adquirida após a doença) com o tempo. Aqui, agora, as pessoas acabaram de se infectar e muita gente se infectou. Ela [delta] está chegando num momento em que a pandemia está alta”, explicou Ester Sabino. “A gente ainda não sabe ainda quanto tempo dura a imunidade, mas existe sim uma imunidade gerada, a pessoa não se reinfecta rapidamente”, completou.https://df6b85081e3de842f9cb179175c76a8f.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

Camila Malta Romano, pesquisadora do Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina da USP e do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo, tem uma opinião parecida com a de Sabino e também acredita que vivemos um contexto epidemiológico diferente da Índia diante da nova variante.

“Agora, os países, nem tanto o Brasil, estão aumentando o número de pessoas vacinadas e completamente imunizadas. A depender da rapidez que a delta começar a se espalhar por aqui, eu acredito que talvez a gente não enfrente uma nova onda muito severa”, avalia.

“A gente pode ter um quadro da variante delta mais brando do que teria se não tivesse a vacinação”, analisa Camila.

Apesar disso, ela afirma que a vacina sozinha não será suficiente. Ambas as pesquisadoras afirmam que os mais vulneráveis serão os brasileiros que ainda não completaram o ciclo vacinal e/ou não foram infectados pelo coronavírus anteriormente. Por isso é urgente manter as regras de distanciamento e o uso de máscaras eficazes e bem ajustadas.

3 – Disputa com a variante gama: ainda é cedo, segundo Sabino, para dizer se a delta poderá passar a dominar o país no lugar da variante gama, antes chamada de P.1. Estudo europeu com pesquisadores da Organização Mundial da Saúde e do Imperial College London apontam que, em comparação com a variante original do coronavírus, a gama é cerca de 50% mais transmissível. Já a delta, é 100% mais.

“É cedo para falar se a delta vai passar a P.1., mas tem sim a possibilidade. Em todas as regiões que a P.1. chegou antes, a delta acabou pegando e expandindo mais rápido que a P.1.. Mas aqui no Brasil é um pouco diferente porque a P.1. está muito alastrada. Por isso, pode ser que ela não tenha uma expansão tão grande, mas é difícil hoje falar, a gente vai saber daqui a algumas semanas”, resume Sabino.

fonte: Gazetaweb

Compartilhe essa informação

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Notícias Relacionadas

Comente