A Hora da Notícia

Conta de luz: Aneel propõe aumento de até 57% nas bandeiras tarifárias

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
prefeitura junho

Kari Shea / Unsplash

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) decidiu, nesta terça-feira (12/4), abrir consulta pública para reajustar os valores das bandeiras tarifárias, cobranças extras feitas na conta de luz. O reajuste é feito anualmente.

Segundo a proposta, as bandeiras amarela e vermelha patamar 1 vão aumentar 56% e 57%, respectivamente.Já a bandeira vermelha patamar 2, a mais cara, terá redução de 1,7%.

A consulta pública terá início em 14 de abril e vai até 4 de maio. No período, os índices podem mudar. Ao fim da consulta, a agência voltará a se manifestar sobre o assunto.

Veja as propostas detalhadas abaixo:

  • Bandeira verde: continua sem cobrança adicional;
  • Bandeira amarela: aumento de R$ 1,874 para R$ 2,927 a cada 100 kWh consumidos (+ 56%);
  • Bandeira vermelha patamar 1: aumento de R$ 3,971 para R$ 6,237 a cada 100 kWh consumidos (+ 57%);
  • Bandeira vermelha patamar 2: redução de R$ 9,492 para R$ 9,330 a cada 100 kWh consumidos (-1,7%).

O sistema de bandeiras tarifárias existe no Brasil desde 2015 e foi criado com o objetivo de sinalizar os consumidores sobre a geração mais cara de energia nos momentos de escassez hídrica – inibindo o consumo –, e para gerar recursos extras, a fim de bancar a compra de energia oriunda de termelétricas.

Bandeira verde até o fim do ano

De acordo com a Aneel, as chances de a bandeira verde vigorar até o fim deste ano são de 97% – mesma previsão do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS).

Na semana passada, o governo federal anunciou que o país adotará a “bandeira verde” na cobrança de luz a partir do próximo sábado, 16 de abril.

Atualmente, o país adota a bandeira de “escassez hídrica”, em vigência desde agosto do ano passado. A bandeira acrescenta custo de R$ 14,20 a cada 100 quilowatts-hora consumidos.

Quando anunciada, a previsão era de que a atual bandeira permanecesse em vigor até 30 de abril deste ano, mas o governo decidiu antecipar a mudança da tarifa.

No ano passado, o Brasil viveu a pior crise hídrica em 91 anos. As principais bacias hidrográficas que abastecem o país estavam secando em razão do baixo volume de chuvas na região dos reservatórios do Sudeste e Centro-Oeste, que respondem por 70% da geração de energia no Brasil.

fonte: gazetaweb

Compartilhe essa informação

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Notícias Relacionadas

Comente