A Hora da Notícia

CPI ouve Queiroga de novo nesta terça e deve questionar sobre Copa América e ‘gabinete paralelo’

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
PRESTAÇÃO DE CONTAS

Jefferson Rudy/Agência Senado

A CPI da Covid ouvirá nesta terça-feira (8), pela segunda vez, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Os senadores devem questioná-lo sobre as condições sanitárias para o país sediar a Copa América e a suposta influência de um “gabinete paralelo” nas decisões do governo sobre a pandemia.

Marcelo Queiroga é a primeira pessoa a prestar dois depoimentos à CPI. O ministro da Saúde compareceu à comissão em 6 de maio, mas o depoimento foi considerado “contraditório” e evasivo por alguns integrantes. A expectativa entre parlamentares é que, nesta terça, Queiroga seja cobrado a dar posicionamentos mais firmes sobre declarações do presidente Jair Bolsonaro.

No primeiro depoimento, o ministro evitou responder a diversas perguntas sobre temas sensíveis ao governo, como as posições de Bolsonaro sobre tratamento precoce e uso da cloroquina, comprovadamente ineficazes contra a Covid.

“O depoimento do ministro Marcelo Queiroga foi contraditório em diversos aspectos. Um deles diz respeito à afirmação de que, na gestão dele, não há promoção do uso da hidroxicloroquina para tratamento da Covid. Todavia, o ministro, até o presente momento, não revogou a portaria do Ministério da Saúde que prescreve o uso da medicação para este fim, mesmo sabendo-se que a medicação não possui eficácia”, afirmou o vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

Nos bastidores, adversários de Bolsonaro veem na reconvocação uma nova possibilidade de desgaste do presidente. Avaliam que Queiroga é, ao lado do antecessor Eduardo Pazuello, a “face” do governo na gestão da pandemia.

Para aliados do Palácio do Planalto, contudo, o novo depoimento do ministro é desnecessário e atrapalha o titular da Saúde ao desviá-lo das ações de enfrentamento à pandemia.

Copa América

A reconvocação de Queiroga foi aprovada em 26 de maio. Inicialmente, o comparecimento do ministro não estava prevista para junho.

Porém, após o governo atender a pedidos da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) e aceitar sediar a Copa América, o calendário da CPI foi alterado, e o novo depoimento de Queiroga, agendado às pressas para esta terça.

Integrantes do chamado “G7”, grupo de senadores independentes e de oposição ao governo, querem saber se o ministro da Saúde foi consultado sobre a realização do torneio. No mês passado, Queiroga disse que o Brasil pode enfrentar uma nova alta no número de casos e de mortes por Covid.

Senadores contrários à realização da Copa América no Brasil dizem que o índice de vacinados no país é baixo (menos de 11% da população) e o de óbitos, alto (mais de 473 mil). Eles também relatam ter dúvidas se o Brasil terá condições sanitárias de sediar o torneio.

A Argentina se recusou a sediar a competição justamente em razão do agravamento da pandemia no país.

Nesta segunda-feira, Queiroga afirmou que “não compete” ao Ministério da Saúde decidir sobre a realização do torneio, e sim verificar e reforçar os protocolos de segurança.

CPI da Covid quer aprofundar apuração sobre existência de gabinete paralelo

Luana Araújo e o ‘gabinete paralelo’

O depoimento da médica Luana Araújo também será usado como base para questionamentos a Queiroga nesta terça.

A infectologista chegou a ser anunciada secretária de Enfrentamento à Covid-19, mas, dez dias depois, o Ministério da Saúde informou que ela não exerceria a função. Segundo a infectologista, Queiroga não explicou a ela o motivo.

Uma das frentes de investigação da CPI é a suposta formação de um grupo extraoficial e sem especialização que teria aconselhado Bolsonaro a tomar decisões e a dar declarações incorretas sobre a pandemia.

Senadores suspeitam que esse “gabinete paralelo” tenha interferido, inclusive, na escolha da equipe de Marcelo Queiroga e de ex-ministros da Saúde.

Em entrevista à GloboNews nesta segunda-feira (7), o relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL), afirmou que vai questionar a autonomia do ministro à frente da pasta.

Fatos novos

Ao G1, o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), afirmou que o avanço dos trabalhos trouxe novos fatos a serem tratados com Queiroga nesta terça.https://c9897d70918f05ae14a368e5c4a1725a.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

Um desses fatos mencionados por Aziz é o depoimento de Mayra Pinheiro, secretária de Gestão do Trabalho e da Educação do Ministério da Saúde. À CPI, ela admitiu que o Ministério da Saúde orientou o uso da cloroquina no combate ao coronavírus.

“Precisamos saber qual é a política real do ministro. Se ele mantém a Mayra Pinheiro [no ministério], é por que pensa igual a ela? Se não, como ele mantém uma assessora que pensa diferente? Precisamos saber qual outra contribuição ela dá à pasta”, disse Aziz.

Haverá, também, a cobrança por uma posição do ministro sobre a indicação da cloroquina. Em maio, ele afirmou que não iria se manifestar pelo fato de o uso do medicamento estar sob análise da Conitec ( Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS), vinculada ao Ministério da Saúde.

No entanto, até agora, não houve uma posição do órgão. “Precisamos saber quando vão se posicionar”, afirma o presidente da CPI.

fonte: Gazetaweb

Compartilhe essa informação

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Notícias Relacionadas

Comente