A Hora da Notícia

CSE informa desligamento do meia Edinho por insubordinação

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
prefeitura junho

Ascom/CSE

Crise no Tricolorido. O CSE demitiu o meia Edinho, de 30 anos, por insubordinação. Segundo apurações da GazetaWeb, a diretoria tricolorida informou que a decisão foi tomada por um conjunto de reclamações, porém, o estopim, que culminou na rescisão, ocorreu durante a partida contra o ASA, no último domingo (15).

Mesmo saindo vitorioso de campo, o clube informou que houve discussões acaloradas após Edinho ter batido um pênalti, em uma situação da qual ele seria o terceiro batedor.

A discussão se prolongou e o atleta não se reapresentou na tarde desta terça-feira (17). A divulgação oficial do desligamento foi feito pelo perfil oficial da equipe de Palmeira dos Índios na noite desta terça-feira (17).

Segundo o presidente José Barbosa, além do ocorrido, outras reclamações pesam sobre o jogador. A principal seria a falta de compromisso com os horários dos treinos. Em entrevista à GazetaWeb, o presidente relembrou que o problema que culminou na demissão do atleta foi não ter respeitado a ordem de batedores que, segundo Barbosa, seria a seguinte: Timbó, Matheus Régis e posteriormente viria Edinho. O presidente se posicionou sobre o ocorrido:

“Olha, o que aconteceu, em relação à dispensa do Edinho, é de que naquele jogo, mais propriamente na hora da cobrança do pênalti, o Edinho sabia que ele não era o jogador que deveria cobrar o pênalti. A determinação da comissão técnica é que o primeiro batedor, batedor oficial, é o Júnior Timbó, seguido de Mateus Régis e, em terceiro lugar, vem Edinho, mas não se sabe o que ocorreu naquele momento, ou porque é que ele quis bater aquele pênalti, quando ele não é o batedor oficial.”

O mandachuva Tricolorido reforçou a falta de compromisso do jogador com os horários e concentrações pré-partidas, mas lembrou da qualidade tática do jogador, elogiando suas atuações em campo e continuou:

“E, em função desse ocorrido, o Edinho já tava sendo chamado atenção, quase que diariamente, em função de chegar atrasado nos treinamentos. Em preleções que antecediam jogos, o Edinho chegava atrasado.” Relembrando o talento, mas cobrando a responsabilidade do atleta, Barbosa seguiu:

“Então, a gente tá expondo toda essa situação, para que o torcedor tome conhecimento. É o fato de que o Edinho é o Edinho, claro que o Edinho é um excelente jogador, é um dos melhores jogadores do plantel, mas cometeu infrações, então em cima disso aí, nós tivemos uma reunião com a comissão técnica e o diretor executivo e foi exposto pelo nosso treinador de que não queria mais contar com ele no grupo, os próprios atletas mantiveram contato com o nosso diretor e foi dito a ele que o grupo não queria mais o Edinho. Então, diante de toda essa situação, a diretoria resolveu afastar o Edinho.”

Em um momento, o presidente disse que a conduta de Edinho em campo gerou um clima nada amigável no grupo, criando uma situação “desagradável” e que poderia ter evoluído para uma cena violenta entre os companheiros:

“Então poderia ter ocorrido ali uma situação desagradável´, o atleta do CSE ia entrar em desacordo com ele, ia terminar os dois brigando e diante da situação momentânea onde o ASA já tinha perdido dois (jogadores com vermelho), talvez até para compensar, aí o árbitro ia expulsar os dois. Sabe-se Deus o que poderia ocorrer dali para frente. E se de repente o ASA empata, ou o ASA vira aquele jogo? Veja a situação, então o pessoal, depois de encerrada a partida, foi para o vestiário e os os próprios companheiros queriam avançar sobre o Edinho e dar nele.”

Ao perguntarmos sobre a relação do atleta com o próprio grupo, o presidente disse também que se o diretor executivo do clube não tivesse interferido, os jogadores teriam partido para cima do atleta no vestiário, então, o conselho técnico da equipe preferiu desligar o atleta da equipe de Palmeira dos Índios. Barbosa disse:

“Essa aí foi a exposição feita através dos próprios atletas, ninguém ia segurar aqueles caras, se não fosse o nosso diretor executivo, o Edinho teria apanhado ali dentro do vestiário, em função dessa insubordinação dele.”

O atleta não se pronunciou oficialmente, porém, em contato com a reportagem, ele disse que não foi informado sobre a demissão. Já segundo o presidente, a rescisão foi avisada no momento em que foi tomada.  fonte: gazetaweb

Compartilhe essa informação

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Notícias Relacionadas

Comente