A Hora da Notícia

Cunha diz que não monta palanque para Bolsonaro em AL e busca acordo com ‘terceira via’

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
prefeitura junho

Marcos Corrêa/PR

Pré-candidato ao governo de Alagoas, o senador Rodrigo Cunha (União Brasil) confirmou, ao site Valor Econômico, que vai pedir votos a um candidato da chamada ‘terceira via’ e que o palanque para o presidente Jair Bolsonaro (PL), no Estado, será liderado pelo senador Collor (PTB).

Cunha integra o grupo de partidos da base de sustentação política de Bolsonaro no Congresso Nacional. Mesmo assim descartou a possibilidade de apoiar o presidente, na provável candidatura à reeleição.

“Meu palanque será do candidato da terceira via. Essa é a minha linha política. O palanque do presidente Bolsonaro será outro, alinhado com o grupo político do [senador Fernando] Collor [PTB]”, disse ao Valor.

Presidente Bolsonaro e Senador Collor – Foto: Célio Júnior

Collor foi o único senador por Alagoas a marchar com Bolsonaro desde o início da gestão. Em todas as ocasiões em que o presidente esteve em Alagoas, o parlamentar o acompanhou e, nos discursos, fez questão de elogiar o governo federal pela preocupação com o povo alagoano.

Esta semana, junto com a deputada Jó Pereira (PSDB), Cunha publicou nas redes sociais fotos ao lado da senadora Simone Tebet (MDB), que é pré-candidata à Presidência. Tebet também se reuniu com o ex-governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), que tenta o mesmo caminho, mas foi vencido nas prévias tucanas para indicar o possível candidato ao Planalto. Leite também esteve, recentemente, com o ex-juiz Sérgio Moro (União Brasil), numa clara articulação para tentar viabilizar a ‘terceira via’.

O PL, em Alagoas, está no comando do deputado estadual Cabo Bebeto (ex-PTC). O parlamentar já adiantou que, na montagem da chapa, o “apoio se dará a um candidato que esteja alinhado ao presidente da República”.

Neste sentido, Cunha diz que a coalização, montada em Alagoas, “foi feita levando em conta o cenário local e, em nenhum momento, se discutiu aliança em âmbito nacional”.

fonte: gazetaweb

Compartilhe essa informação

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Notícias Relacionadas

Comente