A Hora da Notícia

Diogo Silva é novamente herói, CRB elimina o CSA nos pênaltis e alcança sua 11ª final de Alagoano seguida

Teste Banner Anuncio Titulo Post

Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas

O CRB está na grande final do Campeonato Alagoano! Na noite desta quarta- (6), no Rei Pelé, o Galo passou por mais um Clássico das Multidões e conseguiu reverter a vantagem do CSA. Com o placar de 1 a 0 nos 90 minutos, o duelo foi para a marca da cal, onde o regatiano Diogo Silva brilhou e consagrou o CRB com uma vitória por 4 a 2.

Após a grande vitória, o Regatas prepara-se para a decisão, que é logo mais, ou seja, pouquíssimo tempo para descanso. O primeiro confronto decisivo acontece já neste sábado (9), às 17 horas, no Rei Pelé, contra o ASA. A data da volta foi definida logo após o apito final e acontece na próxima quarta-feira (13), às 20 horas, no Coaracy da Mata, em Arapiraca. Por sua vez, o Azulão enfrenta o Murici, na disputa pelo 3º lugar. O primeiro duelo será no José Gomes da Costa, também no sábado (9), às 16 horas. A volta será em Maceió, no dia 12, às 16h15.

Trapichão contou com a presença das duas torcidas, que fizeram a festa – Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas

1º Tempo

O apito inicial veio sob cânticos frenéticos da torcida azulina, que lotou o Trapichão. Porém, logo aos 30 segundos, Carné tentou sair jogando com os pés e quase Anselmo Ramon roubou na pequena área. Pouco depois, com dois minutos, Carné trabalhou novamente, para segurar a batida de Richard. Com mais posse, logo o CSA começou a rondar a área, e ganhou três escanteios nos primeiros seis minutos, mas não efetivou nenhuma grande chance.

Mesmo com menos posse, o CRB teve os melhores momentos no início do duelo. Após subir as linhas, com oito minutos, Carné falhou feio da saída e permitiu a finalização perigosa de Claudinei. Contudo, o arqueiro azulino se recuperou e fez uma bela defesa. Aos 12, o primeiro cartão do jogo. Após contra-ataque bem feito pelo CRB, Wellington chegou no carrinho, direto nas pernas de Richard, deixando o embate quente no Rei Pelé. No lance seguinte, foi a vez de Romão derrubar Yann Rolim e ser punido por Bruno Arleu de Araújo.

Os minutos que prosseguiram foram de pura trocação entre as equipes, mas sem conseguir invadir a área. Gabriel, aos 20 minutos, achou a solução para o problema, e mandou um petardo de fora da área, que beliscou o travessão de Diogo Silva. De falta, aos 22, Igor também tentou de fora da área, porém, dessa vez, a bola subiu ainda mais, sem nenhum susto. O Azulão cresceu em campo e se segurou na defesa, dificultando muito a vida do rival, que aguardava os espaços.

Durante os primeiros 45 minutos, CSA conseguiu produzir mais ofensivamente – Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas

Aos 29, uma situação extraordinária aconteceu, quando o árbitro Bruno Arleu convocou os capitães e informou que o árbitro de vídeo estava sem funcionar, passando por uma instabilidade na geração de imagens. Porém, rapidamente o problema foi solucionado, tanto que na sequência, o Galo pediu uma penalidade, que foi conferida e não marcada.

O CSA seguiu melhor, buscando o gol para trazer tranquilidade. Com 34 minutos, Lucas Barcelos aproveitou falha na saída e deixou para Rodrigo Rodrigues arrematar no gol, mas o centroavante finalizou mal. Nos minutos finais do primeiro tempo, o tom do jogo prosseguiu com o time marujo atacando e os regatianos esperando o contra-ataque. Barcelos teve nova chance para abrir o placar com 40′, mas na hora do chute foi travado por Gum.

Mas como todos sabem, futebol não é uma matemática exata, e na única chance regatiana no fim do primeiro tempo, aos 42 minutos, veio o gol. Depois de contra-ataque frenético, Anselmo Ramon se posicionou nas costas da defesa, dominou no peito e chutou um meio voleio nas mãos de Carné, que não conseguiu defender e assistiu a bola pingar dentro do gol, com resquícios de crueldade: 1 a 0 para o Galo.

Marcelo Cabo faz a festa com gol que abriu as ações no Rei Pelé – Foto: Ailton Cruz

O tento regatiano desanimou a torcida azulina, que quase viu o empate três minutos depois. Em cobrança de falta, Osvaldo finalizou com perigo, mas fora da direção do gol de Diogo Silva. Com a derrota parcial, o CSA diminuiu o ritmo e viu a galera do CRB ficar um pouco mais tranquila. E assim acabou a primeira etapa, vitória parcial regatiana.

2º Tempo

Diferente da primeira etapa, o segundo tempo começou sem vantagem para nenhum dos lados, ou seja, quem marcasse colocava o pé na finalíssima. O CSA seguiu controlando mais a posse e chegando no campo de ataque, mas sem finalizar no gol de Diogo Silva. Incomodado com o desempenho da equipe, Mozart preparou três mudanças de uma só vez, aos sete minutos, acionando Felipe Augusto, Marcel e Cedric, nos lugares de Igor, Wellington e Ernandes, respectivamente.

Psicologicamente, o CRB parecia bem mais à vontade, tocando a bola com tranquilidade e seguindo a mesma tática de velocidade pelas pontas. Porém, nem assim, estava conseguindo assustar. Aos 15, Romão achou cruzamento pela esquerda e Gum cabeceou no canto, mas para fora. As chances criadas foram desaparecendo aos poucos, o que enalteceu muitas faltas e pouca distribuição tática.

Desesperado na busca do empate, CSA teve segundo tempo ruim – Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas

O Galo se postou defensivamente, aparentemente satisfeito com o placar e segurando o rival. Com 18, finalmente o CSA voltou a finalizar, após chute rasteiro de Bruno Mota, que acertou a placa de publicidade, no lado de fora. A resposta demorou a vir, e chegou aos 21, quando Raul Prata tocou para Anselmo Ramon e o atacante foi travado pela defesa azulina. Ainda insatisfeito, Mozart efetuou a última mudança logo aos 25 minutos, colocando Marco Túlio no lugar de Rodrigo Rodrigues.

A mudança parece que deu um novo ânimo. Com 26, Lucas Barcelos fez um lindo cruzamento da direita e Felipe Augusto chegou firme, cabeceando no chão, porém, a bola quicou e encobriu o gol regatiano, arrancando o “Uhh!” da torcida. Aos 28, uma situação preocupante, quando Osvaldo saiu de campo com dores. O problema é que Mozart já havia efetuado as cinco alterações e o atacante retornou aos trancos e barrancos.

Motivado pela torcida, o CSA foi para cima. Gabriel pingou a bola no peito de Lucas Barcelos, dentro da área, todavia, o atacante demorou para finalizar, e na hora que fez, Gum travou. O tempo regulamentar ia afunilando, e a expectativa pelas penalidades máximas crescendo. Alguns atletas regatianos começaram a cair no gramado, constatando problemas médicos, o que incomodou o elenco azulino.

Diogo Silva não apareceu tanto durante o tempo regulamentar – Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas

Com 42, o CSA chegou de novo, e novamente passando pelos pés de Lucas Barcelos, que cruzou rasteiro, na boca do gol, mas Marco Túlio não conseguiu tocar, desperdiçando a oportunidade. Aparentemente satisfeito, Marcelo Cabo trocou o atacante Richard pelo zagueiro Diego Ivo, para fechar de vez a casinha. Com 46, o grande momento para a classificação. Dentro da área, Osvaldo finalizou e a bola explodiu na trave, fazendo todo banco do Azulão ficar de pé, incrédulos.

Apesar do sufoco, não deu. Aos 48 minutos, Bruno Arleu de Araújo encerrou o confronto e as penalidades máximas foram decretadas.

CRB conseguiu placar mínimo para levar aos pênaltis – Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas

Pênaltis

Na marca da cal, tudo poderia acontecer. Quem começou batendo foi Anselmo Ramon, que mandou uma cavadinha cruel, abrindo o placar. Na sequência, Cedric (CSA) e Reginaldo (CRB) marcaram. Porém, no segundo pênalti azulino, Lucas Barcelos bateu mal e Diogo Silva segurou seu primeiro pênalti da noite. https://09caf8cb8d20647d2882317de2019d1f.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

Marcinho, na sequência, tratou de fazer o terceiro do Galo, mas Bruno Mota diminuiu para 3 a 2. Para não perder o costume, Diogo Silva cobrou a quarta penalidade regatiana e manteve os 100% de aproveitamento. Obrigado a marcar para manter o CSA vivo, Osvaldo foi para a quarta cobrança azulina, porém, chutou no lado esquerdo de Diogo que foi nela e decretou a vaga do CRB para a final do Alagoano: 4 a 2.

Diogo Silva consagrou-se pela segunda vez na temporada e colocou Galo na final – Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas

Ficha técnica

CSA – Marcelo Carné; Igor (Felipe Augusto), Werley, Wellington (Marcel) e Ernandes (Cedric); Geovane, Gabriel e Yann Rolim (Bruno Mota); Osvaldo, Lucas Barcelos e Rodrigo Rodrigues (Marco Túlio). Técnico: Mozart

CRB – Diogo Silva; Raul Prata (Reginaldo), Gum, Gilvan e Guilherme Romão; Claudinei, Yago (Marthã) e Rafael Longuine (Gustavo Apis); Richard (Diego Ivo), Vico (Marcinho) e Anselmo Ramon. Técnico: Marcelo Cabo

Gols – Anselmo Ramon (42’/1T)

Pênaltis – Cedric e Bruno Mota marcaram, Lucas Barcelos e Osvaldo perderam para o CSA. Anselmo Ramon, Reginaldo, Marcinho e Diogo Silva marcaram para o CRB.

Cartões amarelos – Wellington (CSA); Guilherme Romão (CRB); Yago (CRB)

Árbitro – Bruno Arleu de Araújo (FIFA)

Assistentes – Rodrigo Figueiredo Henrique Correa (FIFA) e Fabrício Vilarinho Silva (FIFA)

Quarto árbitro – Andreza Helena de Siqueira (FIFA)

VAR – Rodrigo Nunes de Sá (FIFA)

Assistente do VAR – Daniel do Espírito Santo Parro (FIFA)

Desesperado na busca do empate, CSA teve segundo tempo ruim – Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas
Trapichão contou com a presença das duas torcidas, que fizeram a festa – Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas
CRB conseguiu placar mínimo para levar aos pênaltis – Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas
– Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas
– Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas
Galo avançou para a decisão do Alagoano contra o ASA – Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas
– Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas
Diogo Silva consagrou-se pela segunda vez na temporada e colocou Galo na final – Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas
– Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas
– Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas
– Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas
– Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas
Durante os primeiros 45 minutos, CSA conseguiu produzir mais ofensivamente – Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas
Diogo Silva não apareceu tanto durante o tempo regulamentar – Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas
Em duelo frenético, CSA e CRB fecharam a última semifinal do Alagoano – Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas
– Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas
– Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas
– Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas
– Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas
– Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas
– Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas
– Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas
– Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas
– Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas
– Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas
Marcelo Cabo faz a festa com gol que abriu as ações no Rei Pelé – Foto: Ailton Cruz
– Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas
– Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas
– Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas
– Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas
– Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas
– Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas
– Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas
– Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas
– Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas
– Foto: Ailton Cruz / Gazeta de Alagoas

fonte: gazetaweb

Compartilhe essa informação

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Telegram
WhatsApp

Notícias Relacionadas

Comente