A Hora da Notícia

Em nota técnica, Ministério da Saúde não recomenda 4ª dose de vacina

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
prefeitura junho

Reprodução

O Ministério da Saúde emitiu, nesta sexta-feira (11/2), uma nota informativa na qual não recomenda aplicação de uma eventual quarta dose de vacina contra a Covid-19 para a população geral, incluindo indivíduos com mais de 60 anos.

Segundo a pasta, apesar de ser imprescindível evoluir na cobertura vacinal, a Câmara Técnica de Assessoramento em Imunização considera a “necessidade de dados mais robustos sobre a efetividade das vacinas após a dose de reforço”. Só assim, será possível identificar o impacto de uma nova dose.

O ministério defendeu que realiza monitoramento frequente de dados, mas que o Plano Nacional de Operalização (PNO) é “dinâmico, evolutivo e adaptável à evolução do conhecimento científico”.

“Assim, o Ministério da Saúde, com base nos dados existentes neste momento, não recomenda a quarta dose de vacinas ou segunda dose de reforço contra a covid-19 para população geral, incluindo indivíduos a partir de 60 anos de idade, com exceção dos imunocomprometidos”, enfatizou a pasta.

Estados avaliam 4ª dose

Apesar da nota técnica da Saúde, seis estados já incluíram a aplicação de uma eventual nova dose de reforço no plano de imunização local.

Mato Grosso do Sul largou na dianteira e já disponibiliza a quarta dose de proteção para pessoas a partir de 60 anos. Foi a primeira unidade da Federação a adotar a medida.

Nesta sexta-feira (11/2), São Paulo anunciou que adotará a medida a partir de abril para pessoas com 60 anos ou mais. Lá, o governador João Doria (PSDB) defende a disponibilização da nova dose para toda a população.

O Rio de Janeiro também já definiu que irá oferecer a quarta dose para os cariocas. A previsão é que a imunização comece ainda em 2022, mas será aplicada somente um ano após a terceira dose.

Os governos do Ceará, Acre, Rio Grande do Norte e Espírito Santo planejam a aplicação e admitem que estão estudando a forma que isso pode ocorrer.

fonte: Gazetaweb

Compartilhe essa informação

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Notícias Relacionadas

Comente