A Hora da Notícia

Governo anuncia novos comandantes do Exército, Marinha e Aeronáutica

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
PRESTAÇÃO DE CONTAS

Governo anuncia novos comandantes do Exército, Marinha e Aeronáutica

O novo ministro da Defesa, Walter Braga Neto, anunciou os novos três comandantes do Exército, da Marinha e da Aeronáutica: general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, Almirante Almir Garnier Santos e Tenente Brigadeiro do Ar Baptista Júnior. Eles foram apresentados em cerimônia nesta quarta-feira (31), aniversário dos 57 anos do golpe militar que colocou o Brasil numa ditadura entre 1964 e 1985.

A troca dos comandantes foi uma decisão tomada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Hoje, Braga Neto fez “entrevistas” com possíveis escolhidos para ocupar os postos.

O Exército enviou a Braga Netto uma lista com o nome dos cinco generais, que seriam os candidatos naturais, por ordem de antiguidade. São eles: Décio Luís Schons, César Augusto Nardi de Souza, José Luiz Freitas, Marcos Antônio Amaro e o escolhido Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira.

O presidente e o ministro não eram obrigados a seguir a lista, mas o gesto poderia ser considerado uma quebra de tradição militar.

Na Marinha, os integrantes da lista de mais antigos eram: Alípio Jorge Rodrigues da Silva, Almir Garnier Santos e Marcos Silva Rodrigues.

Na FAB (Força Aérea Brasileira), os três cotados para o comando, por conta da antiguidade na carreira eram Jeferson Domingues de Freitas e Marcelo Kanitz Damasceno, além do escolhido Baptista Júnior.

Sem risco de golpe

Apesar de o novo ministro ter assinado a Ordem do Dia por conta do 31 de março, data do golpe militar, pedindo celebração da data, generais ouvidos pela coluna tentam minimizar qualquer risco de apoio a rompantes antidemocráticos por parte de Bolsonaro.

“O movimento de 1964 é parte da trajetória histórica do Brasil. Assim devem ser compreendidos e celebrados os acontecimentos daquele 31 de março”, escreveu o ministro da Defesa.

Segundo um general da ativa, qualquer integrante do Alto Comando que assumir o comando do Exército a ordem será a mesma: reforçar que as Forças Armadas são instituições de estado e não de governo.

“Não passa na cabeça de ninguém nenhum tipo de ruptura”, afirmou.

Comandantes foram demitidos

O Ministério da Defesa anunciou ontem a saída do comandantes do Exército, Edson Pujol; da Marinha, Ilques Barbosa Junior e o da Aeronáutica, Antonio Carlos Moretti Bermudez.

Segundo militar, a saída dos comandantes foi uma decisão tomada por Bolsonaro, que avisou que Braga Netto poderia demiti-los. Depois de pedir o cargo do general Fernando Azevedo e Silva, Bolsonaro causou mal-estar entre os comandantes, que sabiam do desejo do presidente em tirar Pujol do comando do Exército. Eles chegaram a ensaiar uma renúncia coletiva, mas ontem foram surpreendidos com o fato de que a decisão do presidente já estava tomada e ele quer agora novos nomes no comando das Forças.  

 fonte: TNH1

Compartilhe essa informação

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Notícias Relacionadas

Comente