A Hora da Notícia

Maceió registra aumento de 288% de notificações de casos da dengue

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Teste Banner Anuncio Titulo Post

© Reuters/Paulo Whitaker/Direitos Reservados

A capital alagoana registrou de janeiro até o mês de dezembro 3.524 notificações para dengue. Com isso, o município aumentou os casos em 288,10% em relação ao número notificados no mesmo período de 2020, que não passou de mil, totalizando 908 casos. Também houve aumento no número de casos de Chikungunya e Zika, nos períodos citados, de 80,45% e de 32,60%, respectivamente, em relação aos notificados no ano passado. Os dados são da Gerência das Doenças Transmitidas por Vetores e Animais Peçonhentos da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), que os divulgou, nesta terça-feira (21).

Os números são do 3º Levantamento de Índice Rápido de Aedes aegypti – Liraa, que fechou o ano apresentando Maceió com 46% dos seus 50 bairros – 23 localidades – com situação satisfatória em relação ao risco de ocorrência de epidemia de doenças como Dengue, Zika e Chikungunya.

No entanto, três bairros apresentam índices preocupantes. Neste último levantamento de 2021, os índices de infestação mais elevados foram detectados nos bairros de Ponta Verde (10,83%), Jardim Petrópolis (7,43%) e Chã da Jaqueira (4,58%) que, ao apresentarem índices de infestação predial acima de 4%, representam um percentual de 6% de risco de epidemia na Capital.

Realizado pela Coordenação do Programa de Controle do Aedes aegypti, o 3º Liraa foi feito no período de 06 a 10 de dezembro em 16.555 imóveis da capital.

Limpeza dos domicílios

Dentre os tipos de criadouros predominantemente encontrados durante a pesquisa foram identificados os depósitos em nível de solo ou que podem ser removidos (tambores, barris, baldes, potes, tonéis, cisternas e poços – 32%), recipientes ornamentais (vasos de plantas e para outros fins, além de comedouros para animais – 31%) e lixo acumulado (recipientes, plásticos, garrafas, latas, etc. – 19%).

“A constatação relacionada aos criadouros nos mostra que a população pode não estar tão atenta assim às orientações das equipes de inspeção. Lembramos, porém, que é preciso que todos se mantenham alertas, para que o acúmulo de água, especialmente nas residências, deixem de servir de criadouro para o mosquito. Observem cada canto dos seus domicílios regularmente e promovam o descarte de qualquer material que não tenha utilidade”, ressalta a gerente das Doenças Transmitidas por Vetores e Animais Peçonhentos, Carmem Samico.

Carmem Samico destaca ainda que a população também pode lançar mão do Disque Dengue (3312-5495) para solicitar uma visita da equipe de inspeção ou informar ao município qualquer local que apresente características propícias para a proliferação do mosquito, como terrenos baldios, casas abandonadas ou com piscinas desativadas.

*Com assessoria

fonte: Gazetaweb

Compartilhe essa informação

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Notícias Relacionadas

Comente