A Hora da Notícia

No ano da eleição Bolsonaro anuncia pacote para injetar R$ 150 bi na economia

Teste Banner Anuncio Titulo Post

Pacote de R$ 150 bilhões visa alicercar campanha da reeleição de Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta quinta-feira (17) um conjunto de medidas voltadas à população de baixa renda com as quais pretende injetar mais de 150 bilhões de reais na economia, em um ano em que ambiciona a reeleição.

O programa, batizado de “Renda e Oportunidade”, busca “aumentar o poder de compra dos brasileiros, especialmente entre os de menor renda”, informou a presidência em comunicado após cerimônia de lançamento no Palácio do Planalto, em Brasília.

As medidas incluem a antecipação do 13º salário para aposentados e pensionistas, a autorização para utilização de recursos do FGTS e facilidades de acesso a créditos.

Espera-se que as medidas injetem “mais de 150 bilhões de reais na economia do país”, informou o governo.

Bolsonaro, no poder desde janeiro de 2019, vem sofrendo uma forte erosão de sua popularidade, em parte devido à gestão da pandemia (que já deixa mais de 655.000 mortos no Brasil), mas sobretudo devido à alta da inflação, que em fevereiro foi de 10,54% em 12 meses e continua cortando o poder de compra dos salários, principalmente dos mais pobres.

A guerra na Ucrânia agravou a situação, provocando um aumento do preço internacional do petróleo e seus derivados.

Diante dessa escalada, a Petrobras anunciou na semana passada um aumento de 18,8% no preço da gasolina em suas refinarias e de 24,9% no diesel, uma decisão fortemente criticado por Bolsonaro.

O presidente disputará um segundo mandato em outubro, provavelmente enfrentando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, favorito nas pesquisas.

Na tentativa de conter o aumento de preços, o Banco Central elevou novamente sua taxa básica de juros nesta semana, para 11,75%, seu maior valor desde abril de 2017.

A economia do Brasil superou uma breve recessão no último trimestre e fechou 2021 com crescimento de 4,6% em relação a 2020, quando sofreu o maior impacto da pandemia. Mas, para 2022, as previsões são de um crescimento de apenas 0,49%.

fonte: eassim.com.br

Compartilhe essa informação

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Telegram
WhatsApp

Notícias Relacionadas

Comente