A Hora da Notícia

Nordeste tem maior queda na renda do trabalho com piora da pandemia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
PRESTAÇÃO DE CONTAS

Agência Brasil

Com o impacto da piora da pandemia, o Nordeste amargou a maior perda salarial do país no primeiro trimestre de 2021. Entre janeiro e março, a renda efetiva do trabalho caiu 7,05% na região, frente a igual intervalo de 2020. O recuo verificado no Brasil foi de 2,2%.

Os dados integram estudo divulgado nesta quarta-feira (16) pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada). As informações têm como base a Pnad Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua), do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Uma das possíveis explicações para a queda acentuada no Nordeste é a grande dependência do setor de serviços na região, indica Sandro Sacchet de Carvalho, técnico de planejamento e pesquisa do Ipea.

Esse segmento reúne atividades que foram atingidas em cheio pela piora da pandemia, como operações de turismo, bares e restaurantes. Empresas do gênero dependem da circulação de consumidores, que foi afetada por restrições para frear o coronavírus.

“De certo modo, o tipo de ocupação tem impacto nos resultados observados. Estados com dependência maior da agricultura e da indústria foram menos afetados”, aponta Carvalho.

As outras quatro regiões do país tampouco ficaram imunes à queda na renda efetiva no primeiro trimestre. A segunda maior baixa foi registrada no Norte (-3,85%), seguido por Sudeste (-1,46%) e Sul (-0,97%). O Centro-Oeste teve o recuo menos intenso (-0,84%).

O estudo também informa que a crise sanitária elevou a proporção de domicílios sem nenhuma renda do trabalho no Brasil. O percentual pulou de 25% no primeiro trimestre de 2020 para 29,3% no mesmo intervalo de 2021.

“Essa diferença reforça a avaliação de que está sendo lenta a recuperação do nível de ocupação entre as famílias de renda mais baixa a patamares anteriores à pandemia”, diz o Ipea em nota.

Segundo a pesquisa, a faixa etária mais afetada pela piora da crise sanitária foi a dos jovens adultos (25 a 39 anos), com queda de 7,73% nos rendimentos efetivos entre janeiro e março. A renda dos trabalhadores com 60 anos ou mais, por outro lado, cresceu 7,06%, influenciada principalmente pela alta proporção de trabalhadores por conta própria nessa faixa etária.

Já em relação à escolaridade, os rendimentos recuaram para todas as categorias, com destaque negativo para os trabalhadores que completaram o ensino médio (-8,37%).

No recorte por sexo, os homens tiveram queda de 4,71% na renda. Entre as mulheres, houve alta de 1,33%.

Segundo Carvalho, o nível de empregos formais é maior entre os homens no país. E, no primeiro trimestre, renda efetiva caiu 3,6% nos vínculos de trabalho com carteira assinada. Isso, diz o pesquisador, ajuda a entender a diferença em relação às trabalhadoras.

Na visão de Carvalho, a recuperação da renda depende do avanço da vacinação contra a Covid-19 nos próximos meses. A imunização é considerada necessária para reduzir restrições a setores como o de serviços, o maior empregador do país.

“Em termos de renda, pelo menos no segundo trimestre, a gente espera um cenário bastante semelhante [ao do primeiro]. Uma recuperação pode ser demonstrada a partir do terceiro trimestre, com o avanço da vacinação”, afirma o pesquisador.

Entre janeiro e março, a taxa de desemprego chegou a 14,7% no país. A marca representa recorde na série histórica do IBGE, iniciada em 2012. O total de desempregados alcançou a marca de 14,8 milhões de pessoas, outra máxima da pesquisa.

Fonte: TNH1

Compartilhe essa informação

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Notícias Relacionadas

Comente