A Hora da Notícia

OMS: Brasil vive situação crítica com variante mais transmissível

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
PRESTAÇÃO DE CONTAS

Maria Van Kerkhove foto: OMS/Reprodução

Em uma coletiva de imprensa nesta quinta-feira (1°/4), a chefe do programa de emergências da Organização Mundial da Saúde (OMS), Maria van Kerkhove, demonstrou preocupação com relação à variante P.1 do coronavírus, que está se disseminando pelo Brasil. Segundo ela, o país vive uma situação crítica, o que pode acabar sobrecarregando ainda mais o sistema de saúde nacional.

De acordo com Kerkhove, os desafios são muitos em termos de aumento da transmissibilidade com a variante P.1. “Se você aumenta a transmissão, ou os vírus são mais transmissíveis, você terá mais casos que podem sobrecarregar todo o sistema, que já está saturado”, frisou a epidemiologista.

A variante brasileira do coronavírus identificada no Amazonas pode provocar uma carga viral – quantidade de vírus no corpo – 10 vezes maior quando comparada a outras versões do vírus, segundo estudo realizado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Em janeiro, a Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM) confirmou o primeiro caso de reinfecção pela cepa no estado.

“Nós fomos informados de que essa variante P.1 é dominante em pelo menos 13 estados até o momento, e nós vimos que houve um aumento de hospitalizações e internações na UTI em todos os grupos etários, inclusive nos mais novos”, afirmou Maria van Kerkhove.

Além do alerta sobre a mutação brasileira, Kerkhove reforçou a importância das medidas de contenção do vírus, como distanciamento social, higienização constante das mãos e vacinação.

Em relação às vacinas, Mariângela Simão, diretora adjunta para acesso a medicamentos da OMS, afirmou que a produção local, feita pelo Instituto Butantan (SP) e pela Fiocruz (RJ), é indispensável para conter o coronavírus e suas mutações. “Apesar de o Brasil estar recebendo vacinas por meio da Covax Facility, o país pode criar suas próprias vacinas, produzidas pelo Butantan e Fiocruz, e isso é essencial considerando a pressão que foi colocada sobre o fornecimento de vacinas”, justificou.

fonte: Gazetaweb

Compartilhe essa informação

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Notícias Relacionadas

Comente