A Hora da Notícia

Pacientes sem comorbidades representam 27% dos óbitos por Covid-19 em AL nos últimos 31 dias

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
PRESTAÇÃO DE CONTAS

FOTO: Carla Cleto

Dos 526 óbitos por Covid-19 registrados em Alagoas nos últimos 31 dias, 144 eram de pessoas sem comorbidades, o que dá um percentual de 27%. Os dados são da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) e apontam para o avanço da doença entre pessoas saudáveis.

Até essa terça-feira (25), pessoas sem comorbidades representavam o quarto maior grupo de óbitos em Alagoas, com 962 vítimas, o que dá 20% das 4.643 mortes por Covid-19 já registradas no Estado. A diabetes era a comorbidade mais presente nas pessoas que morreram de Covid-19 em Alagoas, atingindo 1.485 pacientes. Logo após aparece a hipertensão (1.534) e a cardiopatia ( 1.000).

Nestes 31 dias, as mortes totais avançaram 12,7%, saindo de 4.117 para 4.643. Já as mortes de pessoas sem comorbidades aumentaram 17%. Os números apontam que, neste período, foram, em média, 4,6 mortes diárias de pessoas sem comorbidades.

Os últimos boletins epidemiológicos da doença em Alagoas expuseram também que a Covid-19 tem levado pessoas de diferentes idades à morte, como o caso de um menino de três anos da cidade de Traipu, na última segunda-feira (24), e de um jovem de 26 anos de Maceió, na última quarta-feira (5).

O infectologista Renato Kfouri, diretor da SBIm (Sociedade Brasileira de Imunizações) e membro do Comitê Técnico Assessor do Programa Nacional de Imunizações (PNI) do Ministério da Saúde, afirmou, em entrevista ao portal de notícias R7, que ainda há lacunas de conhecimento sobre a resposta imune de cada paciente.

“Existem alguns estudos, já realizados com outros vírus, além do coronavírus, que chamamos de herança genética ou monogênicas que tentam explicar o que faz uma criança ou adulto jovem irem mal e um idoso ir bem. Trata-se de algum grau de resistência ou de proteção geneticamente programado do sistema imune”, acrescenta.

Segundo ele, o atraso no tratamento da Covid-19 pode ser um risco para seu agravamento, seja pela falta de leitos ou pela demora na procura por atendimento médico.

fonte: Gazetaweb

Compartilhe essa informação

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Notícias Relacionadas

Comente