A Hora da Notícia

Pazuello diz que sistema “não colapsou” e reduz pela 4ª vez a previsão de chegada de vacinas

Fala acontece um dia após o país registrar recorde de mortes diárias: 2.349. Ministro também revisa a quantidade de doses para o mês de março
Gif-728x90-Master
BANNER-ANUNCIO-AHORADANOTICIA-JAND (2)

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, declarou, na quarta-feira (10), que o sistema de saúde brasileiro “não colapsou, nem vai colapsar”. A fala foi proferida no mesmo dia em que o país perdeu 2.349 vidas para a Covid-19, o maior número de mortes em 24h desde o início da pandemia. A declaração de Pazuello também é o contrário do que dizem secretários de Saúde, prefeitos e governadores ao redor do país.

Na semana passada, o jornal “Valor Econômico” noticiou que pessoas no entorno do ministro previam que o Brasil teria 3 mil mortes diárias pela Covid em março.

Ainda na quarta-feira (10), Pazuello afirmou, também, que o Brasil receberia, neste mês, de 22 a 25 milhões de doses de vacinas, “podendo chegar a 38 milhões”. A quantidade é menor do que a última previsão divulgada pelo Ministério da Saúde, no dia 6 de março, de 30 milhões de doses. (Veja detalhes mais abaixo). A redução é a quarta só no mês de março.

Até agora, o Brasil aplicou 9 milhões de doses de vacina – o equivalente a 11,7% da população em grupos prioritários. Só 3,1 milhões de pessoas receberam ambas as doses de algum imunizante.

Recordes de mortes e colapso nos estados

Depois de registrar, em fevereiro, o 2º maior número de mortes mensais desde o início da pandemia, o Brasil teve quatro recordes de mortes vistas em 24h só no mês de março. O primeiro foi no dia 2, quando 1.726 pessoas perderam a vida para a Covid.

No dia seguinte, mais 1.840 pessoas morreram pela doença, outro recorde diário. Os últimos dois picos foram vistos na terça (9), com 1.954 mortes, e na quarta (10), com 2.349 óbitoshttps://da6463f0fa652a364e8f104c0efaf273.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-37/html/container.html

O colapso na Saúde que Pazuello afirmou que o país não teria também está acontecendo, segundo afirmações feitas por prefeitos, governadores, secretários de Saúde municipais e estaduais e profissionais na linha de frente. Dados de internações em UTIs também levaram a Fiocruz a dar “alerta crítico” para 20 estados.

Alguns estados já tiveram que alugar contêineres e abrir covas para acomodar os mortos pela Covid-19.

Veja algumas situações ao redor do país:

  • No estado de São Paulo, ao menos 30 pessoas com Covid haviam morrido na fila por vagas de UTI até o dia 9. Com o ritmo atual de internações e de criação de novos leitos, o sistema de saúde estadual pode chegar ao colapso em 25 dias.
  • Em Salvador, o secretário de Saúde alertou que a cidade vai entrar em colapso até a manhã de sexta (12). O dono de uma funerária também disse que “vai entrar em colapso” devido à alta na demanda. O governo da Bahia já alugou contêineres para armazenar corpos e ampliou o número de vagas em cemitérios.
  • Recife também teve que abrir novas covas e ao menos um hospital já alugou um contêiner para armazenar os mortos. Uma urgência pediátrica foi fechada para abrigar leitos de Covid-19.
  • Em Divinópolis (MG), o secretário de Saúde afirmou que evita falar em colapso, mas que o município está ‘próximo disso’.
  • Em Teresina, as UTIs atingiram 100% de ocupação no dia 9. O presidente da Fundação Municipal de Saúde afirmou que a demanda por leitos estava maior do que a capacidade local de abrir mais vagas. Um especialista fala em colapso no Piauí.
  • No Rio Grande do Norte, o secretário estadual de Saúde disse que o estado vive “um momento trágico” na pandemia.
  • Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná estão com mais de 90% da capacidade das UTIs esgotadas. No Rio Grande do Sul, a capacidade está acima de 100% desde 2 de março.
  • No Paraná, 42 Unidades Básicas de Saúde (UBS) serão fechadas e transformadas em pronto-atendimento, enquanto as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) passam a atender como unidades de internação para Covid-19.
  • Em Santa Catarina, pacientes chegaram a ser transferidos para o Espírito Santo, mas o serviço terá que ser suspenso após aumento de hospitalizações no outro estado.
  • No Distrito Federal, pacientes com Covid-19 foram deixados no corredor de um hospital com as enfermarias lotadas. Profissionais de Saúde relataram a falta de profissionais e material nos hospitais; o chefe da Casa Civil alertou para a falta de leitos.
  • No Amapá, o maior hospital do estado atingiu 100% de ocupação de UTIs no dia 7. O Ministério Público pediu abertura de mais leitos.
  • No mesmo dia, Mato Grosso tinha 59 pessoas à espera de UTI e pediu ajuda a outros estados para transferir pacientes. Na noite de quarta (10), eram 68 pessoas na fila por um leito intensivo.

Mudanças no cronograma de vacinashttps://da6463f0fa652a364e8f104c0efaf273.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-37/html/container.html

Na quarta (10), durante a cerimônia de assinatura de novas leis que vão facilitar a compra de vacinas, Pazuello disse que o Brasil receberia, em março, de 22 a 25 milhões de doses da vacina, “podendo chegar a 38 milhões”.

“Sem a produção da Fiocruz e Butantan, nós hoje praticamente não teríamos vacinado ninguém. As doses importadas, negociadas, contratadas, empenhadas por laboratórios internacionais, nós temos muita incerteza de recebê-las. Nós estamos garantidos para março entre 22 e 25 milhões de doses, podendo chegar até 38 milhões de doses”, afirmou Pazuello.

A quantidade é menor do que a divulgada pelo Ministério da Saúde no dia 6 de março. No último documento, a pasta contabiliza 30 milhões de doses. Nesse total, o governo somou as doses das vacinas CoronaVac, Oxford e a primeira parte do contrato firmado com a Aliança Covax.

Veja as últimas mudanças para março:

  • Começo de fevereiro: 46 milhões de doses (cronograma do Ministério da Saúde)
  • 28 de fevereiro: 39,1 milhões de doses (cronograma do Ministério da Saúde)
  • 03 de março: 38 milhões de doses (cronograma do Ministério da Saúde)
  • 06 de março: 30 milhões de doses (cronograma do Ministério da Saúde)
  • 08 de março: Pazuello diz que Brasil terá entre 25 e 28 milhões de doses
  • 10 de março: Pazuello diz que Brasil terá entre 22 e 25 de milhões de doses

O G1 entrou em contato com o Ministério da Saúde para saber se ocorreu alguma alteração no cronograma de entregas disponibilizado pela pasta. Também perguntou quais são as doses garantidas citadas pelo ministro. O ministério não respondeu até a publicação da reportagem.

fonte: Gazetaweb

Compartilhe essa informação

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Telegram
WhatsApp

Notícias Relacionadas

Comente