A Hora da Notícia

Por 10 votos a 1 Daniel Silveira é condenado a 8 anos de prisão

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
prefeitura junho

Reprodução/Câmara dos Deputados

STF (Supremo Tribunal Federal) condenou nesta quarta-feira (20), por 10 votos a 1, o deputado federal, Daniel Silveira (PTB-RJ), por ataques feitos a integrantes da corte.

10 ministros acompanharam o relator do processo, Alexandre de Moraes, para que ele seja condenado a 8 anos e 9 meses de prisão. Kassio Nunes foi o único ministro a votar pela absolvição. Além da imposição de pena, também votaram para cassar o mandato, suspender os direitos políticos e determinar o pagamento de multa de cerca de R$ 192 mil.


Indicado pelo presidente Jair Bolsonaro (PL), o ministro André Mendonça também votou para condenar o parlamentar, mas com pena menor: 2 anos e 4 meses a serem cumpridos em regime inicialmente aberto. Além disso, afirmou que a perda de mandato depende do Congresso e que não poderia ser imposta pelo Supremo.

Outro nomeado pelo atual chefe do Executivo, Kassio Nunes Marques divergiu e defendeu que a corte não deveria condenar Silveira.

Moares leu um voto contundente contra o deputado e foi seguido pelos demais ao defender que a corte não deveria levar em consideração a alegação da defesa de que as declarações ocorreram em momento de raiva e desabafo.


“Seja porque no momento da prisão em flagrante repetiu as ameaças, seja porque durante interrogatório repetiu e confirmou o que fez, seja porque hoje, inclusive, no plenário da Câmara repetiu ameaças e ofensas à Corte Suprema do país”, afirmou Moraes.https://649b76e4b4283f8233b2ac173e7daeb3.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

Segundo o magistrado, a liberdade de expressão prevista na Constituição não pode ser usada como “escudo protetivo para discurso de ódio e contra a democracia”.


As condutas do parlamentar, segundo o ministro, se enquadram nos artigos do Código Penal que preveem os crimes de coação no curso do processo (uso de violência ou de ameaça para obter vantagem em processo judicial) e de incitação à tentativa de impedir o livre exercício dos Poderes.


De acordo com o ministro, Silveira utilizou o instrumento da imunidade parlamentar para prática de inúmeros crimes.


“Chegou a usar o próprio Parlamento como esconderijo no intuito de descumprir novamente medida judicial. Veio fugido de carro”. “Desprezo total do réu pela Justiça. Ou seja, sua culpabilidade é extremamente acentuada”, afirmou.


O ministro fez críticas a Silveira. “Lembro até frase de Albert Einstein: ‘duas coisas são infinitas: o universo e a estupidez humana. Mas, em relação ao universo, ainda não tenho certeza absoluta'”, disse.


Ele também afirmou que há nas declarações do parlamentar uma analogia com crimes cometidos no Leste Europeu.


“No próprio interrogatório ele faz paralelo disso a algo que aconteceu na Ucrânia que, em determinados momentos de revoltas, o povo retirava agentes públicos das repartições, surrava, matava e jogava em lixeiras. Aqui não tem nada de jocoso”, disse.


Na sequência votou o ministro Kassio Nunes Marques, que discordou de Moraes para absolver Silveira. Apesar de criticar as declarações do parlamentar com ataques e ameaças a integrantes do STF, Kassio entendeu que não houve cometimento de crime.


Para o magistrado, não se pode dar credibilidade a expressões citadas pela PGR, tais como “jogar ministro dentro da lixeira” e “retirar ministro na base da porrada”.


“Nada mais são que ilações, conjecturas inverossímeis, sem eficiência e credibilidade incapazes, portanto, de intimidar quem quer que seja, não passando de bravatas”, entendeu Kassio.


A vice-procuradora-geral da República, Lindôra Araújo, foi a responsável por falar pela Procuradoria. Ela é a número 2 do procurador-geral, Augusto Aras, que costuma se alinhar às pautas do presidente Jair Bolsonaro (PL) e não esteve presente no julgamento.


“A Constituição deslegitima as condutas e discursos que, apostando na violência e na grave ameaça, substituem o método democrático”, afirmou Araújo. Ela classificou como “intolerável” e “inconcebível” as condutas do parlamentar.


A defesa de Silveira afirmou, na tarde desta quarta, que o parlamentar é vítima de um julgamento político.


“[Silveira] Não está sendo julgado juridicamente”, afirmou o advogado Paulo Faria. “É impressionante como o sistema acusatório foi aviltado. Foi instalado um verdadeiro sistema inquisitório no processamento dessa ação penal.”

O criminalista defendeu o instituto da imunidade parlamentar e o direito de seu cliente a um julgamento por “um julgador imparcial”.
Faria disse estranhar o fato de as vítimas serem os próprios julgadores de quem supostamente cometeu o crime. “Essa violação, no meu entendimento, ao sistema acusatório, é a premissa maior desse julgamento”, disse.


Disse que as declarações de seu cliente foram “críticas” a integrantes do Supremo e que a competência para avaliar eventuais excessos seria da Câmara. “Os poderes devem se respeitar mutuamente, mas com essa ação penal isso foi jogado ao vento”, afirmou.


Para o advogado, a fala do deputado sobre convocar as Forças Armadas contra o Supremo foi mal interpretada. Segundo o criminalista, Silveira não fez convocação, mas uma pergunta a seus seguidores sobre o que achavam do tema.


Faria disse que seu cliente está sendo impedido de exercer plenamente seu mandato, impedido, em razão de medidas cautelares impostas pelo ministro Moraes, de conversar com seus eleitores, de ir a outros estados.

fonte: gazetaweb

Compartilhe essa informação

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Notícias Relacionadas

Comente