A Hora da Notícia

Preço da gasolina segue em alta e bate novo recorde nos postos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Teste Banner Anuncio Titulo Post

Ailton Cruz

O preço da gasolina seguiu em alta nos postos brasileiros nesta semana e superou o recorde observado na anterior ao atingir a média de R$ 7,283 por litro, segundo dados da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis).


Foi a terceira semana seguida de alta, na esteira da escalada da cotação do etanol anidro, que representa 27% da mistura vendida nos postos. O valor verificado pela ANP nesta semana é 0,2% superior ao recorde anterior, de R$ 7,270 por litro.

O preço do etanol hidratado também segue em alta, fechando a semana a R$ 5,539 por litro, em média, alta de 0,8% em relação à semana anterior. Em um mês, o produto ficou 10,4% mais caro no país. Nas usinas de São Paulo, o produto acumula alta de 12% em um mês.


A pesquisa da ANP detectou alta também no preço do diesel, que subiu 0,1% na semana, para R$ 6,610 por litro. O preço do gás de cozinha permanece estável: esta semana, o botijão de 13 quilos foi vendido, em média, a R$ 113,50.


O mercado trabalha com a possibilidade de novos reajustes para o diesel, já que a defasagem com relação às cotações internacionais está hoje em níveis semelhantes aos verificados antes dos mega-aumentos promovidos pela Petrobras em maio.


Segundo a Abicom (Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis), o preço médio do diesel nas refinarias brasileiras está R$ 1,71 por litro abaixo da paridade de importação, conceito usado pela política de preços da Petrobras que simula quanto custaria para trazer o produto do exterior.


No caso da gasolina, o preço interno está hoje R$ 0,45 por litro abaixo da paridade, ainda segundo a Abicom. O aumento da defasagem reflete a desvalorização do real e a recuperação dos preços no mercado americano nas últimas semanas.
Já o preço do GNV também segue aumentando: esta semana foi vendido a R$ 4,774 por metro cúbico, valor 0,4% superior ao registrado na semana anterior.


Esse combustível deve manter a tendência de alta, já que a Petrobras reajustará em 19%, a partir do próximo domingo (1), o preço de venda do gás natural às distribuidoras. Outros fornecedores também promoverão aumentos e a expectativa da indústria é que o produto suba, em média, 17%.


Os repasses ao consumidor dependem as legislações estaduais para o setor. Em alguns estados, é imediato; em outros, só ocorre nas datas de reajustes tarifários anuais. Mas a Abrace estima que as tarifas para a indústria subam, em média, 9%.
No Rio de Janeiro, por exemplo, o reajuste foi autorizado nesta quinta-feira (28) e vale a partir de maio. Na CEG, que atende a região metropolitana, os aumentos serão de 6,8% para clientes residenciais, 7% para o comércio, 18,5% para a indústria e 19,6% para o GNV.

fonte: gazetaweb

Compartilhe essa informação

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Notícias Relacionadas

Comente