A Hora da Notícia

Preço do diesel sobe novamente nos postos e chega perto de R$ 7

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
prefeitura junho

Reprodução

O preço do diesel nos postos brasileiros subiu novamente esta semana, renovando o recorde atingido na semana passada. Segundo a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis), o produto foi vendido, em média, a R$ 6,943 por litro.
O valor é 1,4% superior ao recorde registrado na semana passada, de R$ 6,847 por litro.

A escalada é fruto do repasse de reajuste promovido pela Petrobras no último dia 9, que acabou levando à troca no comando da área energética do governo.

Segundo a ANP, o preço médio do diesel já ultrapassa R$ 7 por litro em 13 estados. Em três, o preço máximo é superior a R$ 8. Assim como na semana anterior, o maior valor detectado pela pesquisa da agência foi R$ 8,300 por litro, em Cruzeiro do Sul (AC).


Nas duas semanas após o reajuste, o preço médio do combustível acumula alta de 4,7% nas bombas, de acordo com os dados da ANP. A alta pressiona a inflação, já que o diesel é o principal combustível usado no transporte de cargas do país.


Além da demissão do ex-ministro de Minas e Energia Bento Albuquerque, que foi trocado por Adolfo Sachsida, o reajuste intensificou a queda de braço entre o governo Jair Bolsonaro e os estados em torno da cobrança de ICMS sobre o combustível.


Quatro dias após o reajuste nas refinarias, a AGU (Advocacia Geral da União) obteve liminar no STF (Supremo Tribunal Federal) contra manobra dos estados para driblar a lei que implantou o ICMS único no país.


A liminar, porém, acabou gerando risco de alta no preço, ao manter a alíquota única de R$ 1,006 por litro, eliminando apenas a possibilidade de concessão de descontos pelos estados, para que todos pudessem manter as alíquotas atuais.

Nesta quinta-feira (19), o Ministério da Economia se reuniu com o Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) para tentar forçar a adoção do modelo de transição previsto na lei, que prevê alíquota equivalente à média dos últimos 60 meses, mas não houve acordo.


Segundo a ANP, o preço médio da gasolina caiu 0,3%, para R$ 7,275 por litro, acompanhando a redução da cotação do etanol anidro. Com o início da colheita, o biocombustível que é misturado à gasolina despencou 9% nas usinas de São Paulo em três semanas.


O preço médio do etanol hidratado caiu 1,8% nos postos, para R$ 5,224 por litro, acumulando recuo de 5,7% nas bombas em um mês. Nas usinas, porém, a cotação do produto voltou a subir na semana passada, após duas semanas de forte queda.


Segundo a ANP, o preço do gás de cozinha registrou leve queda esta semana, para R$ 112,89 por botijão de 13 quilos. Apesar do corte de 5,6% nas refinarias em abril, o repasse ainda é tímido. No último mês, o produto acumula queda de apenas 0,5% nas revendas


Já o preço do GNV (gás natural veicular) parou de subir após semanas de forte alta. Esta semana, o produto foi vendido, em média, a R$ 5,258 por metro cúbico, praticamente estável em relação aos R$ 5,265 verificados pela ANP na semana anterior.


Muito usado por taxistas e motoristas de aplicativos em estados que têm rede de gás canalizado, o combustível vinha sendo pressionado por reajuste médio de 19% no preço do gás natural vendido pela Petrobras às distribuidoras a partir do início de maio.

fonte: Gazetaweb

Compartilhe essa informação

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Notícias Relacionadas

Comente