A Hora da Notícia

Presidente do PSL diz que partido está tomando ‘medidas cabíveis’ para afastamento definitivo de deputado preso.

Deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) foi preso após divulgar vídeo em que faz apologia ao AI-5 e defende destituição de ministros do STF. Luciano Bivar, que preside o PSL, disse que ataques são 'inaceitáveis'
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
PRESTAÇÃO DE CONTAS

FOTO: MICHAEL MELO/METRÓPOLES

O presidente do PSL, deputado Luciano Bivar, informou em nota nesta quarta-feira (17) que o partido está tomando as “medidas jurídicas cabíveis” para afastar definitivamente o deputado Daniel Silveira (RJ), preso nesta terça (16) após fazer apologia ao AI-5 e defender a destituição dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

O ministro do STF Alexandre de Moraes, que determinou a prisão, afirmou que a Constituição não permite permite a propagação de ideias contrárias à ordem constitucional e ao Estado Democrático.

Para Bivar, os ataques de Silveira foram inaceitáveis e não podem ser vistos como exercício da liberdade de expressão.

“Os ataques, especialmente da maneira como foram feitos, são inaceitáveis. Esta atitude não pode e jamais será confundida com liberdade de expressão, uma conquista tão duramente obtida pelos brasileiros e que deve estar no cerne de todo o debate nacional”, escreveu Bivar.

“A Executiva Nacional do partido está tomando todas as medidas jurídicas cabíveis para a afastamento em definitivo do deputado dos quadros partidários”, completou o presidente do PSL.

Prisão

Silveira foi preso por ordem do ministro Alexandre de Moraes, do STF. A apologia ao AI-5 e os ataques ao tribunal, que são inconstitucionais, foram feitos pelo parlamentar em vídeos. O AI-5 é considerado o mais duro dispositivo de repressão decretado na ditadura militar.

O ministro determinou que o YouTube retire o vídeo do ar, sob pena de multa diária de R$ 100 mil, e ordenou que a polícia armazene cópia do material.

Silveira já é investigado no Supremo nos inquéritos das fake news e no dos atos antidemocráticos. O inquérito das fake news investiga a produção sistemática e organizada de conteúdo falso e ataques às instituições. O dos atos antidemocráticos investiga a organização e o financiamento de manifestações de rua que defenderam pleitos inconstitucionais, como o fechamento do Congresso e do STF.

fonte: Gazetaweb

Compartilhe essa informação

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Notícias Relacionadas

Comente