A Hora da Notícia

Presidente preferiu o retrocesso, diz Sérgio Moro sobre lei de improbidade

Teste Banner Anuncio Titulo Post

Presidente preferiu o retrocesso, diz Sérgio Moro sobre lei de improbidade

O ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro disse nesta quarta-feira (27) que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) poderia ter vetado o projeto que flexibiliza a Lei de Improbidade Administrativa, mas que “preferiu o retrocesso”.

A principal alteração na lei é a exigência de dolo para que agentes públicos sejam responsabilizados pelos seus atos. Danos causados por imprudência ou negligência, por exemplo, não serão configurados como improbidade.

“Hoje foi publicada a lei que, na prática, acaba com as punições de políticos por improbidade administrativa. As mudanças relatadas por deputado do PT retiram de cena mais um instrumento contra à corrupção. O Presidente da República poderia ter vetado, mas preferiu o retrocesso”, escreveu Moro no Twitter.

A nova regulamentação considera “dolo a vontade livre e consciente de alcançar o resultado ilícito tipificado”. O texto foi sancionado e publicado no DOU (Diário Oficial da União) na 3ª feira (26.out.2021). Eis a íntegra (165 KB).

Com a mudança, agora cabe aos juízes responsáveis interpretarem se houve ou não intenção em cada caso, dificultando a punição de agentes públicos por improbidade e reduz as chances de um político perder o cargo por improbidade administrativa. Conforme o novo texto, a perda da função pública “atinge apenas o vínculo de mesma qualidade e natureza que o agente público ou político detinha com o poder público na época do cometimento da infração”.

Outra mudança é que só o MP (Ministério Público) poderá propor ações de improbidade administrativa.
Fonte – Alagoas Alerta

fonte: politica #politicaalagoana

Compartilhe essa informação

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Telegram
WhatsApp

Notícias Relacionadas

Comente