A Hora da Notícia

Quase 18 mil maceioenses podem ficar sem segunda dose de vacina

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
PRESTAÇÃO DE CONTAS

Ailton Cruz

A falta de doses da CoronaVac deve afetar 17.720 maceioenses que vão ficar sem tomar a segunda dose do imunizante nos próximos dias caso a vacina não chegue. O problema ocorre porque os Estados e municípios, mesmo críticos do governo federal, seguiram recomendação da União para usar todas as doses como primeira e agora o retardo de insumo vindo da China para o Butantan fabricar o imunizante traz incertezas para quem precisa da segunda dose.

Nessa segunda-feira (26) o ministro da Saúde Marcelo Queiroga admitiu que há “dificuldade” no fornecimento da CoronaVac aos estados para aplicação da segunda dose. Queiroga deu a declaração ao participar de uma sessão da comissão do Senado que discute medidas de combate à doença.

Desde o último domingo (25) que a aplicação da segunda dose da vacina CoronaVac em Maceió está comprometida. De acordo com a Prefeitura de Maceió, o Estado só repassou 8.790 doses para a capital, que precisa de 26.510. Quem procurou os postos de vacinação já no domingo para tomar a segunda dose da CoronaVac deu viagem perdida.

Ainda no domingo (25), A Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) e o Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de Alagoas (Cosems/AL) informaram que decidiram, conjuntamente, estender o prazo para aplicação da segunda dose da Coronavac, passando de 21 para 28 dias – o que, segundo ele, é permitido pelo fabricante do imunizante e está previsto na bula da vacina.

Os órgãos afirmam que a medida se dá em razão da redução na quantidade de vacinas contra a Covid-19 enviada pelo Ministério da Saúde (MS) para Alagoas. A diminuição nas remessas enviadas pelo Ministério afetam todo o país, visto que a capacidade de produção do Instituto Butantan foi reduzida por falta de insumos.

Segundo os órgãos, na bula da vacina Coronavac consta a informação de que a aplicação da segunda dose do imunizante deve ser realizada entre 14 e 28 dias. Em Alagoas, havia sido estipulado, inicialmente, que o prazo seria de 21 dias entre a primeira e a segunda dose.

Ainda conforme a bula do imunizante, há informações científicas sobre o intervalo de 28 dias garantir uma melhor resposta imunológica no organismo contra o novo coronavírus.

“Quando administramos uma vacina é esperado que haja uma resposta imunológica no corpo com a produção de anticorpos para o combate ao vírus. Nos testes clínicos realizados ficou comprovado que, após receber a segunda dose da Coronavac com um intervalo de 28 dias, as pessoas têm uma taxa de 97% soro conversão, com a formação de anticorpos”, informam a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) e o Cosems.

Sesau e Cosems orientam, ainda, a população a prestar atenção na data que consta no cartão de vacinação e acrescentar sete dias para tomar a segunda dose da Coronavac.

“Caso no cartão de vacinação a segunda dose esteja marcada para a próxima segunda-feira, dia 26 de abril, agora esta pessoa deve procurar os pontos de vacinação no dia 03 de maio”, explicam.

PROBLEMA ATINGE OUTROS ESTADOS

O problema também afeta municípios de outros estados brasileiros como Pernambuco, Rio Grande do Norte, São Paulo, Amapá e Paraíba que limitaram ou suspenderam a imunização por falta de doses para a segunda aplicação.

Na Paraíba, a Justiça chegou a determinar a aplicação da segunda dose após ação do Ministério Público. “O que tem nos causado certa preocupação é a CoronaVac, a segunda dose. Tem sido um pedido de governadores, de prefeitos, porque, se os senhores lembram, cerca de um mês atrás se liberou as segundas doses para que se aplicassem. E agora, em face de retardo de insumo vindo da China para o Butantan, há uma dificuldade com essa 2ª dose”, declarou Queiroga no Senado.

Há cerca de um mês, em 21 de março, o Ministério da Saúde mudou a orientação e autorizou que todas as vacinas armazenadas pelos estados e municípios para garantir a segunda dose fossem utilizadas imediatamente como primeira dose. Ao participar da sessão da comissão do Senado nesta segunda, Queiroga disse que o governo emitirá uma “nota técnica acerca desse tema”.

fonte: Gazetaweb

Compartilhe essa informação

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Notícias Relacionadas

Comente