A Hora da Notícia

Renan Calheiros já dá o tom, a forma e o conteúdo da campanha em Alagoas

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
prefeitura junho

Fernando Collor, Renan Calheiros e Rodrigo Cunha / Foto: Reprodução / Internet

Desde que se licenciou do Senado e assumiu a coordenação da campanha de Renan Filho e Paulo Dantas, Renan Calheiros passou a dar o tom, a forma e o conteúdo da campanha eleitoral em Alagoas.

Digo de imediato: não há nada de criminoso no que Calheiros vem fazendo. É do jogo político, em que sempre se busca o poder – principalmente quem o já tem (e pela primeira vez em Alagoas).

O senador do MDB age com a destreza de um profissional que sofreu as dores de ser derrotado, sem chance de reação. Perdeu duas eleições para o Executivo, em 1988 e em 1990, mas ganhou um aprendizado que hoje pratica com raríssima habilidade.

O que aconteceu a partir do momento em que Calheiros voltou-se inteiramente para Alagoas?

É notável a movimentação que as campanhas, de forma geral, ganharam ou foram obrigadas a assumir. 

Entre os ensinamentos que ele vai praticando, brilhantemente, está o espalhamento de informações que fazem abalar as hostes adversárias – até mesmo prescindindo, na origem, das tão óbvias redes sociais. 

Todo dia tem novidade, e não será ele a trazê-la a público. Calheiros tem uma extensa rede de mensageiros e de partidos “amigos”, que cumprem esse papel de forma disciplinada e persistente. Espalhar a cizânia não é arte do demo – é dos homens. As regras do meio não são as mesmas seguidas pelo homem comum.

Ora direis: isso é Maquiavel?

Não creio. 

O senador nunca foi conhecido exatamente pelas leituras que por ventura tenha feito. Parece mais, e assim imagino, que ele possui e exercita a inteligência da esperteza – e como poucos por essas bandas.

Por enquanto, Calheiros conseguiu botar seus adversários (alguns até inimigos figadais) nas cordas. E estes precisarão como nunca de estratégia e força para sair delas.

Na melhor definição de um calheirista histórico (dito a mim): 

– Numa eleição, feio é perder.

Alea jacta est.

(Ele só não vai mexer com Collor, anotem.)

fonte: cadaminuto.com.br

Compartilhe essa informação

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Notícias Relacionadas

Comente