A Hora da Notícia

Servidores cobram do Governo de AL mais de 15% de reposição salarial atrasada

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
PRESTAÇÃO DE CONTAS

FOTO: Cortesia/Sindpol

Sem aumento real desde o início da atual gestão do governo do Estado, os servidores públicos de Alagoas agora cobram que o Executivo pague, ao menos, a defasagem salarial causada pelos anos em que o Estado não concedeu nem a reposição da inflação.

A diferença entre a inflação acumulada de 2015 a 2020 e o que o Estado concedeu de reajuste é de 15,7 pontos percentuais. O cálculo leva em conta que, neste período, a inflação acumulada é de 34,47%, já os reajustes dados pelo Estado somam 18,77%. O cálculo das perdas pode ser ainda maior porque nos anos em que concedeu reposição salarial, o Estado o fez em cima de salários já defasados.

Na última terça-feira (20) o governo de Alagoas anunciou que vai repor a inflação de 2020, que ficou em 4,52%, no salário dos servidores, que desde 2018 não sofria nenhuma alteração. Na prática, a não reposição da inflação faz com que o salário dos servidores tenha um poder de compra cada vez menor.

Isso porque, tomando como exemplo uma situação hipotética em que dois pacotes de arroz custem R$10, e após a inflação, passem a custar R$ 14,52, significa que o consumidor ou compra menos ou precisará desembolsar mais para adquirir um mesmo produto. Portanto, se um servidor que em 2015 ganhava R$ 1.000, agora ganha R$ 1.187, mas deveria receber R$ 1.344, ou seja, o trabalhador tem uma perda de R$ 157.

Esses valores consideram apenas a reposição da inflação para o período, o que manteria o poder de compra do atual salário, mas sem nenhum aumento real. Ricardo Nazário pondera que a defasagem salarial preocupa a diretoria do Sindpol.

O sindicalista pondera ainda que além da perda salarial, a reforma da Previdência estadual aumentou a alíquota de contribuição previdenciária de 11% para 14% para os servidores da ativa, e saiu de zero para 14% para aposentados e servidores que ganham abaixo do teto.

De acordo com o Sindpol, o governador de Alagoas não concedeu nem reajuste nem reposição da inflação nos anos de 2016, 2019 e 2020. E, nos anos de 2015, 2017 e 2018, aplicou índices menores aos servidores. Ao mesmo tempo, o sindicato aponta que, em 2020, o preço do conjunto de alimentos subiu 24,67% na cesta básica.

Dispararam o preço do óleo de soja com 103,79%, arroz com 76,01%, frutas (25,40%), carnes (17,97%), batata-inglesa (67,27%) e tomate (52,76%), conforme dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). MAIS PREJUÍZO Além disso, a defasagem salarial dos servidores do Estado pode ser ainda maior, já que o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) mede a inflação média do País.

Em entrevista à Gazeta de Alagoas em 2019 sobre a defasagem salarial dos servidores do Estado de Alagoas, a economista Luciana Caetano explicou que o mais grave de um reajuste salarial abaixo da inflação é que ele acomete, principalmente, as camadas de baixa renda, onde a propensão marginal a consumir é mais elevada, posto que a renda é quase toda destinada a consumo.

“Nesse sentido, o governo inviabiliza a retomada do crescimento, desprezando a lógica da demanda efetiva, em outras palavras, menosprezando o poder do consumo como incentivador dos novos investimentos”, justifica.

De acordo com o IBGE, o principal vilão da inflação de 2020 foi o grupo de alimentação e bebidas, que apresentou a maior variação (14,09%) e o maior impacto na composição da inflação (2,73 p. p.) no acumulado do ano.

Essa é a maior variação acumulada no ano do grupo desde dezembro de 2002, que registrou alta de 19,47%. Logo em seguida, aparecem como “vilões” da inflação os grupos de habitação, com alta de 5,25% e contribuição de 0,82 p. p., e artigos de residência, com 6,00% de alta e 0,23 p. p. de impacto. Em conjunto, estes grupos responderam por quase 84% da inflação de 2020.

fonte: Gazetaweb

Compartilhe essa informação

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Notícias Relacionadas

Comente