A Hora da Notícia

Taxa extra de luz: Alagoanos já pagaram mais de R$ 200 milhões

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Teste Banner Anuncio Titulo Post

Foto: Daniel Ferreira/Metrópoles

Chegou ao fim, nesse sábado (16), a cobrança da bandeira Escassez Hídrica na conta de energia elétrica dos brasileiros. Em Alagoas, o valor arrecadado com a taxa até fevereiro deste ano foi de R$ 202.472.375,40, segundo dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). A taxa entrou em vigor em setembro de 2021 e foi implantada pelo Ministério de Minas e Energia (MME) como uma das medidas para o enfrentamento da crise hidrológica que afetou o Brasil e o consequente acionamento das termelétricas, que elevou o custo da energia.

Com o fim da cobrança da taxa, a conta de luz terá redução de cerca de 20% já no mês de maio, e a expectativa é que essa redução permaneça até o final do ano. No Estado, o fim da cobrança não só animou os consumidores, como também, o setor produtivo.

O vice-presidente da Aliança Comercial de Maceió, Guido Júnior, disse que o setor será beneficiado. “A redução da conta de energia vai nos ajudar bastante, porque qualquer corte no nosso custo nos beneficiará. A bandeira de Escassez Hídrica nas contas de luz, criada durante a crise do ano passado, representava um custo adicional de R$ 14,20 a cada 100 quilowatts-hora consumidos, então com o fim dela teremos uma economia significativa”.

BONS OLHOS

Raimundo Barreto, presidente da Associação dos Supermercados de Alagoas, também comemorou a notícia. “O fim da taxa foi vista com bons olhos. Os empresários fazem muito uso de energia e, no final do mês, a conta pesa. E, com a taxa, nem se fala. Agora, sem a cobrança, a coisa pode mudar e desafogar um pouco mais o alagoano”, falou.

Para o presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) em Alagoas, Brandão Júnior, a energia elétrica é um insumo bastante importante para a atividade do setor, e a tarifa na conta de luz vem pesando bastante. “Toda redução, sem dúvidas, é bem vinda. Espero que a redução se efetive e dure por mais tempo. E, claro, que os empresários sintam na ponta a redução, para ajudar a diminuição dos gatos do nosso setor”, disse.

A Equatorial, responsável pela distribuição de energia nos 102 municípios alagoanos, foi procurada pela reportagem e, por meio de nota, informou que o montante pago pelos consumidores de Alagoas foi destinado à cobertura dos custos com geração de energia a partir das termelétricas, fonte mais onerosa, devido a utilização de combustíveis fósseis como petróleo, carvão mineral e gás natural.

TARIFAS

O sistema de bandeiras tarifárias é o que define o real custo da energia. Quando as condições de geração de energia não são favoráveis, é preciso acionar as usinas termelétricas, elevando os custos. Assim, cobranças adicionais têm por objetivo cobrir a diferença e também funcionam para frear o consumo.

Quando vigora a bandeira verde, não há acréscimos na conta de luz. Já na bandeira amarela, o consumidor paga um adicional de R$ 0,01874 para cada quilowatt-hora (kWh). A bandeira vermelha é dividida: no patamar 1, o acréscimo é de R$ 0,03971 e no patamar 2 é de R$ 0,09492. No ano passado, foi criada a bandeira de escassez hídrica , que fixa um acréscimo de R$ 14,20 a cada 100 kWh consumidos. Ela estava vigente há sete meses, desde setembro. Segundo o Governo Federal, a medida era necessária para compensar os custos da geração de energia, que ficaram mais caros em consequência do período seco em 2021, apontado como o pior em 91 anos.

fonte: gazetaweb

Compartilhe essa informação

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Notícias Relacionadas

Comente