A Hora da Notícia

Tenente-coronel do Corpo de Bombeiros pode ser punida por criticar Bolsonaro

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
PRESTAÇÃO DE CONTAS

Tenente-coronel do Corpo de Bombeiros pode ser punida por criticar Bolsonaro

A tenente-coronel Camila Paiva, do Corpo de Bombeiros Militar de Alagoas, foi pega de surpresa ao tomar conhecimento, através dos veículos de comunicação, que o Conselho Estadual de Segurança (Conseg) abriu uma Reclamação Disciplinar para apurar, contra si, “possíveis transgressões disciplinares”. A ação ocorreu após a oficial participar de um protesto contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que aconteceu no último sábado (29), na capital alagoana.

“Eu não estava fardada ou a serviço. Estava no evento como cidadã brasileira. Em nenhum momento eu fiz alusão à minha instituição, proferi palavras de baixo calão ou promovi violência. Não feri a ordem pública. Acredito que é uma perseguição pela minha revolta com as atitudes de Bolsonaro”, se defendeu a primeira mulher oficial do CBM/AL.

Até o fechamento desta edição, Camila Paiva não havia sido notificada oficialmente. Entretanto, acredita que a reclamação foi resultado do seu posicionamento. “Um dos artigos que fui enquadrada foi fazer crítica ao superior, e o presidente não é meu superior, e sim uma autoridade. Nós somos militares estaduais e o nosso comandante é o governador Renan Filho. Não estamos subordinados ao presidente”, esclareceu.

A tenente-coronel frisou que outros militares participaram do ato e publicaram em suas redes sociais. No entanto, nenhuma ação foi aberta contra eles. “E também nenhum caso semelhante foi registrado contra militares que participaram de manifestações pró-Bolsonaro”.

Camila Paiva questionou o fato de o Conselho de Segurança não ter nenhuma representação feminina. “Enquanto mulher e defensora da equidade, fico estarrecida com essa desvalorização da mulher em cargos de alto escalão”.

A oficial demonstra preocupação com a postura do Conseg. “Se Alagoas for o primeiro estado a abrir portas para essa perseguição política, nós estaremos abrindo portas para a ditadura e destruindo a democracia. Acredito que o Estado não deixará esse legado para a democracia do Brasil”.

Importante destacar que a militar é chefe da Comissão Mulher Segura, da Secretaria de Segurança Pública, e luta contra qualquer tipo de preconceito e possui diversos projetos visando o bem estar dos mais vulneráveis.

Vale ressaltar que o Conselho de Segurança é presidido pelo juiz Maurício Brêda.
Fonte – Folha de Alagoas

politica #politicaalagoana

fonte: blog.politicaalagoana.com.br

Compartilhe essa informação

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Notícias Relacionadas

Comente