A Hora da Notícia

TRT/AL considera greve de funcionários do Hospital Sanatório abusiva e determina retorno imediato das atividades

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
PRESTAÇÃO DE CONTAS

Funcionários do Sanatório paralisam atividades em busca de salários, férias e vale-transporte foto: Cortesia à Gazetaweb

Após a paralisação de funcionários dos setores de enfermagem, administrativo e de asseio e conservação do Hospital Sanatório, em Maceió, o presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 19ª Região (TRT/AL), desembargador Marcelo Vieira, determinou, na noite desta segunda-feira (19), o retorno imediato dos auxiliares e técnicos de enfermagem, sob pena de multa diária de R$ 10 mil.https://0fe54dd01975d108b4326230de9eebe6.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

Para o TRT/AL, a paralisação deflagrada pela categoria é abusiva, pois desobedece a diversos requisitos da Lei de Greve, além de afetar o atendimento de pacientes infectados pela Covid-19, tanto na UTI como em hemodiálise.

Na manhã desta segunda (19), os funcionários da unidade hospitalar suspenderam os trabalhos para cobrar o pagamento dos salários, das férias e do vale-transporte. Eles denunciam que estão sem receber há dois meses e convivem com os riscos na estrutura do local, devido às rachaduras, incluindo ainda a falta do recolhimento do lixo hospitalar.

Contudo, na decisão, que foi proferida em ação de Dissídio Coletivo de Greve ajuizada contra o Sindicato dos Auxiliares e Técnicos de Enfermagem pela Liga Alagoana Contra a Tuberculose (Hospital Sanatório), o hospital alegou a inexistência de tentativa de negociação, ausência de comunicação prévia com antecedência legal de 72 horas, já que se trata de uma atividade essencia. A unidade também citou a inexistência de uma assembleia geral da categoria para autorizar o movimento paredista e a efeito que a paralisação afeta provoca nos três setores específicos do hospital: atendimento a pacientes de Covid-19, de UTI e de hemodiálise, inclusive com risco de morte.

O desembargador Marcelo Vieira usou uma notícia divulgada na imprensa para demonstrar a irresignação dos trabalhadores contra o hospital, com o descumprimento de obrigações trabalhistas básicas. Pata ele, sob a ótica da lei, a greve, a despeito de constituir direito fundamental dos trabalhadores, exige a observância dos requisitos impostos pela lei.https://0fe54dd01975d108b4326230de9eebe6.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

“Os documentos que o hospital apresenta demonstram que de fato não foi observada essa exigência de prévia comunicação e de autorização de assembleia geral da categoria, já que o ofício enviado pelo sindicato dos trabalhadores informando sobre a greve, é da presente data. Demais disso, na audiência retratada pela ata juntada à inicial, ocorrida no último dia 29/03, não houve qualquer deliberação sobre greve, e nela somente estiveram presentes diretores da entidade sindical”, complementou o desembargador.https://0fe54dd01975d108b4326230de9eebe6.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

O presidente do TRT/AL ainda citou que a paralisação de funcionários indispensáveis à operação hospitalar tem mais importância quando se trata de unidade que realiza hemodiálise e mantém pacientes em UTIs, precisando de atendimento em decorrência da Covid-19. “Nesse contexto, a ponderação entre o direito à vida e o direito à greve se resolve, sem dúvida, em favor do primeiro, até porque a inobservância dos requisitos legais, como acima referido, implica a abusividade do movimento.”

fonte: Gazetaweb

Compartilhe essa informação

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Notícias Relacionadas

Comente