A Hora da Notícia

Vacinas da Pfizer e Moderna são eficazes no controle da Covid após 1ª dose, diz estudo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
PRESTAÇÃO DE CONTAS

Behrouz Mehri/Pool via Reuters

As vacinas da Pfizer/BioNTech e Moderna se mostraram “altamente eficazes” no controle da Covid-19 logo após a aplicação da primeira dose, segundo um estudo publicado nesta segunda-feira (29) pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos.

Os pesquisadores do principal órgão de saúde norte-americano analisaram os números da vacinação dos profissionais da linha de frente e concluíram que, em “condições de vida real”, o risco de infecção caiu 80% após a primeira dose.

A análise preliminar do centro norte-americano aponta também que a efetividade da vacina na proteção contra a infecção pelo coronavírus chegou a 90% quando as duas doses foram aplicadas corretamente.

Resumo do estudo:

3.950 pessoas se voluntariaram, nenhuma delas tinha histórico de infecção pelo Sars-Cov-2
2.479 (62,8%) receberam duas doses da vacina do tipo mRNA (genética)
477 (12,1%) receberam apenas uma dose de vacina do tipo mRNA
994 ainda não receberam nenhuma dose da vacina
Todo o estudo acompanhou as primeiras 13 semanas de vacinação (dezembro – março)
O diagnóstico das infecções foi feito por meio de testes RT-PCR
Os dados reforçam os resultados apresentados durante os ensaios clínicos. As duas vacinas são seguras e eficazes no combate à pandemia da Covid-19. Além delas, os EUA começaram também a aplicação da vacina da Janssen, de dose única – que não entrou nesta análise.

“Este estudo mostra que nossos esforços para uma vacinação nacional estão funcionando”, disse em nota a diretora do CDC, Rochelle Walensky.

A equipe do CDC avaliou também os dados dos pacientes não vacinados e encontrou uma taxa diária de 1,38 infecções a cada mil pessoas por dia.

Entre os vacinados, depois de 15 dias da primeira dose, houve uma taxa de 0,04 infecções por dia a cada mil, e o número despencou ainda mais 15 dias depois da segunda dose, e foi para 0,19 infecções por dia a cada mil pessoas.

“Nossas descobertas indicam que as vacinas de mRNA contra a Covid-19 são eficazes na prevenção de infecção pelo Sars-Cov-2, entre os adultos trabalhando em condições do mundo real”, escrevem os cientistas. “A vacinação contra a Covid-19 é recomendada para todos aqueles que puderem.”

Tecnologia de RNA mensageiro

As vacina produzidas pela Pfizer/BioNTech e Moderna usam a tecnologia chamada de RNA mensageiro, diferente das tradicionais (veja no infográfico abaixo).

Nesse caso, a vacina leva para o nosso organismo uma cópia de parte do código genético do vírus. É uma espécie de mensagem, uma receita para que nosso corpo produza uma proteína do vírus. A presença dessa proteína desencadeia a produção de anticorpos.

Ganha-se um tempo que pode ser decisivo nessa luta de vida e morte. Se a pessoa vacinada for infectada, terá um exército de anticorpos prontos para neutralizar o corona, impedindo a sua multiplicação.

Qual é qual?

A vacina BNT162 – da Pfizer/BioNTech – usa o mRNA para codificar proteínas virais. Essa foi a primeira vacina a ser aprovada para o uso emergencial no ocidente. Ela exige temperaturas baixíssimas de armazenamento e transporte, e devem ser mantidas a -70ºC (veja mais no vídeo abaixo).

A vacina mRNA 1273 – da Moderna – é feita como RNA mensageiro (mRNA), capaz de codificar a proteína S da coroa do vírus, e o introduz no corpo com a ajuda de uma nanopartícula de gordura para induzir a proteção natural do corpo. Ela precisa ser armazenada em temperaturas baixas, inferiores a -20ºC

fonte: Gazetaweb

Compartilhe essa informação

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Notícias Relacionadas

Comente